Outros assuntos

Catequese no mundo atual: desafios e possibilidades II

2 – A dimensão sociocultural atual

Continuando nossa leitura do Diretório para a Catequese de 2020, ao ler a realidade atual, o documento apresenta o ponto de vista sociocultural. Nesta leitura, o documento fala sobre os processos de comunicação de massa, buscando destacar os benefícios e os malefícios desses processos. De um lado, a comunicação aproxima, possibilita trocas e aprendizados. De outro, pode manipular as consciências, produzir violência e isolamento. Estamos atentos: o que nos une é dialógico, o que nos divide e produz guerras entre nós é diabólico!

Com tantos meios para nos comunicarmos, produziu-se a sociedade da informação. Vejamos que ter informações é algo bom, ajuda a conhecermos as situações para tomarmos decisões que são importantes para nossa vida. De outro, também cansa o tempo todo recebermos e produzirmos informações. Ainda mais quando não temos condições (conhecimento, tempo etc.) para compreendê-las. Para isso, indica o Diretório, é necessária uma educação que ensine a pensar criticamente e ofereça um caminho de amadurecimento nos valores.

Diante disso, o Diretório nos pede que olhemos para essa realidade com espírito de fé, entendendo que nossa missão é levar às pessoas de hoje o Evangelho da alegria que tudo renova e vivifica. Assim, somos convidados a entrar nos diversos espaços da vida social, como a escola, a investigação científica e o ambiente de trabalho, as redes sociais e de comunicação, nos âmbitos onde se empreendem esforços pela paz, pelo desenvolvimento, pelo cuidado com a criação, pela defesa dos direitos dos mais fracos; mas, também, no mundo do tempo livre, do turismo, do bem-estar, no espaço da literatura, da música e das várias expressões artísticas. Todos esses são espaços onde devemos fazer chegar a alegria do Evangelho, não por imposição ou cansaço, mas pelo diálogo, testemunho de serviço e busca do bem comum. Para isso, é preciso ter uma atitude de escuta e diálogo, examinando todas as coisas, mantendo o que é bom (cf. 1Ts 5,21).

Na Igreja particular (dioceses) e em cada comunidade cristã ou grupo eclesial, atentos a essa realidade, somos convidados a formular a compreensão do querigma (anúncio) mais adequada às várias mentalidades, para que o processo da catequese esteja verdadeiramente inculturado nas múltiplas situações e o Evangelho ilumine a vida de todos.

Assim, os espaços humanos, como o contexto urbano das grandes cidades, o contexto rural e o das culturas locais tradicionais nos são apresentados como desafios, mas também possibilidades para a ação catequética.

A catequese, então, é motivada a oferecer espaços e ações comunitários de fé em que, vencendo o anonimato nas grandes cidades, se reconhece o valor de cada pessoa e a todas é oferecido o bálsamo da fé pascal para aliviar as feridas. São espaços de oração e de comunhão, em que a paróquia como comunidade de comunidades, com proximidade fraterna, revela a maternidade da Igreja e dá um testemunho concreto de misericórdia e ternura, que gera orientação e sentido para a própria vida da cidade. No contexto da vida no campo, a catequese é convidada a valorizar as experiências comunitárias, o amor pela natureza e a simplicidade como se busca conduzir a vida.

É preciso também propor processos de evangelização e de catequese adequados à cultura dos povos originários (indígenas e outros), sem nunca impor a própria cultura. Aprender a ver as “sementes do Verbo” presentes nessas realidades, em suas pessoas e costumes, louvando a Deus, e aprendendo a olhar para todas as pessoas com respeito e amor, ajudando-as a amadurecer na fé e a crescer como seguidoras de Jesus.

Também, a catequese deverá, sobretudo, ter o cuidado de apreciar a força evangelizadora das expressões da piedade popular, integrando-as e valorizando-as no seu processo formativo e deixando-se inspirar pela forma dos ritos e dos símbolos do povo, como maneiras de conservar a fé e a transmiti-la de uma geração à outra.

Em todas as situações, o discernimento deve ajudar a compreender as trevas e luzes presentes nas diversas culturas, salientando o que é bom, fazendo multiplicar os valores do Reino (amor, partilha, respeito, cuidado com a vida etc.) já presentes e ajudando a superar as visões e posturas que são contraditórias a esses valores (preconceitos, autoritarismos, exclusões etc.).

Suzana Costa Coutinho
Mestra em Educação, jornalista, professora da Especialização em Catequética do Regional Leste 2

FONTE: Catequese hoje

Postagens relacionadas

Dom Odilo destaca a perspectiva sinodal da Catequese evangelizadora

Lua

Fidelidade é a Seguradora da JMJ Lisboa 2023

Eraldo

Novo diretório do Vaticano para a catequese recusa ideologia de género, mas admite “complexidade” e “não julga pessoas”

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies