CatequeseOutros assuntos

Arquidiocese de São Paulo institui escola para catequistas

A Arquidiocese de São Paulo realizou no sábado, 4, o lançamento oficial da Escola Bíblico-Catequética São José de Anchieta. A apresentação do projeto formativo para catequistas foi feita durante um encontro do Arcebispo Metropolitano, Cardeal Odilo Pedro Scherer, e dos bispos auxiliares, com cerca de 600 catequistas, no Centro de Pastoral do Belém, no Belenzinho.

Voltada para catequistas que já atuam há pelo menos cinco anos nas paróquias e comunidades da Arquidiocese, a escola pretende “proporcionar a compreensão da identidade, da vocação e da missão do catequista no exercício de seu ministério, para saber construir um itinerário de catequese com inspiração catecumenal e que sua presença e serviço sejam um sinal eficaz de adesão ao projeto de Jesus Cristo”.

Essa iniciativa também corresponde às orientações dada pela Santa Sé para a formação dos catequistas, após o Papa Francisco, em 2021, tornar esse serviço um dos ministérios instituídos pela Igreja.

Jornal O São Paulo|Arquidiocese de São Paulo institui escola para catequistas

FORMAÇÃO

A formação se dará em formato híbrido, isto é, nas modalidades presencial e à distância. Padre Paulo César Gil, Assistente Eclesiástico Arquidiocesano para a Animação Bíblico Catequética, explicou que as aulas presencias acontecerão espaços paroquiais definidos pela coordenação, em cada região episcopal. Já a modalidade on-line, acontecerá por meio das plataformas digitais como Google Meet, Zoom, Facebook, Youtube e outras.

“A Escola Bíblico-Catequética deverá funcionar com o programa organizado, oferecendo uma formação que seja harmônica para a toda a Arquidiocese, para atualizar a formação para quem já é catequista e passar a oferecer a formação para quem pretende exercer o ministério de catequista no futuro”, explicou Dom Odilo.

Jornal O São Paulo|Arquidiocese de São Paulo institui escola para catequistas

MINISTÉRIO

O Arcebispo explicou que a Escola não tem a função de apenas conferir um “diploma” ou certificado aos catequistas, mas, sim, formar catequistas, para melhorar esse serviço e, consequentemente, o bem que realizado na vida das pessoas.

Dom Odilo esclareceu que o ministério de catequista não se resume a um título que se confere após a conclusão de um curso, mas um serviço instituído e reconhecido pela comunidade eclesial, cujo valor é ressaltado pela dignidade de um ministério não ordenado.

“As pessoas preparadas, que realizem bem a sua missão, que demonstrem amor à Catequese, que tenham experiência já consolidada, receberão o ministério de catequista conferido pela Igreja”, reforçou Dom Odilo, acrescentando que a Catequese, assim como a evangelização em geral, é a ação eclesial, não apenas individual.

“Quem é catequista, realiza essa missão pela Igreja, a partir da sua vivência na comunidade eclesial. Por isso, a Catequese é uma ação da comunidade. Se, em uma paróquia, a Catequese não está bem, isso deve preocupar a todos”, ressaltou.

Jornal O São Paulo|Arquidiocese de São Paulo institui escola para catequistas

ITINERÁRIO

Dom José Benedito Cardoso, Bispo Auxiliar da Arquidiocese e Referencial para a Animação Bíblico-Catequética, informou que o itinerário de formação para catequistas atuantes terá a duração de um ano. Serão um total de 24 horas (oito dias) de encontros de formação ministerial, 16 horas de oficinas sobre vivências e um dia de retiro espiritual.

Padre Paulo explicou que as estratégias adotadas no curso pretendem favorecer a reflexão das grandes questões da vida cristã no mundo de hoje, “e o despertar para os novos caminhos da ação catequética e para as novas sensibilidades e expectativas dos catequistas, catequizandos, famílias e comunidades, inseridos na cultura urbana, que requer de todos um novo modo de apresentar a mensagem cristã”.

O Papa Francisco, na Carta Apostólica Antiquum Ministerium, publicada em 2021, com a qual instituiu o ministério laical de catequista, destacou a importância da formação dos agentes. “O catequista que busca uma preparação sólida para ser instituído no ministério deverá receber uma formação bíblica, teológica, pastoral, pedagógica e humana”, enfatiza o documento.

Já os critérios para a instituição do ministério aos catequistas atuantes são:

  • Ser escolhido pelo pároco e coordenação paroquial – em diálogo com a comunidade eclesial (coordenação paroquial da IVC e outros grupos);
  • Ter no mínimo 20 anos de idade e acima de cinco anos de atuação na catequese;
  • Ter uma formação básica;
  • Ter participado da formação específica e imediata para a recepção do ministério (Nas Regiões Episcopais – 1 ano: encontros formativos e retiro)
  • Estar ciente de sua importância para a vida da comunidade e de seu ministério a serviço da evangelização;
  • Ter claro que o seu ministério não é um prêmio, mas fruto de seu testemunho de fé e de vida comunitária;
  • Estar disponível para participar dos projetos de formação continuada em preparação da renovação do ministério (a cada 5 anos).
  • Antes de receber o ministério instituído, cada candidato passará pelo escrutínio de avaliação com o bispo e/ou equipe designada.
Jornal O São Paulo|Arquidiocese de São Paulo institui escola para catequistas

ENCONTRO COM CRISTO

Na reflexão com os catequistas, o Cardeal Scherer sublinhou que a finalidade da Catequese é proporcionar e intermediar um encontro vivo com Jesus Cristo e com Deus. “O papel do catequista é o de um pedagogo e mediador desse encontro: Ele convida os catequizandos a encontrarem Jesus e os condiz a Ele”, afirmou.

Nesse sentido, o Método da Catequese inclui o testemunho convicto da fé do catequista que, não apenas fala de Jesus, de Deus e da Igreja, “mas ajuda a falar com Jesus e com Deus e a sentir-se parte da Igreja”.

“A Catequese não deve contentar-se em mostrar o sentido das coisas deste mundo, mas do sentido sobrenatural da vida e das coisas e precisa falar das ‘coisas maiores’, que só Deus é capaz de fazer, nas quais cremos e esperamos”, acrescentou o Arcebispo.

Dom Odilo também destacou que a Catequese deve ser contagiante e despertar nos catequizandos um forte desejo de conhecer Jesus e as coisas de Deus e da Igreja: “Abelhas não são atraídas por vinagre nem pelo escuro da noite, mas por mel, pela luz, pelas cores das flores… Temos muita coisa belíssima da nossa fé e da vida da Igreja para contar e mostrar aos catequizandos”.

Outras informações sobre a Escola Bíblico-Catequética São José de Anchieta podem ser solicitadas no e-mail: ebicatjosedeanchieta@gmail.com.

Postagens relacionadas

Dom Odilo destaca a perspectiva sinodal da Catequese evangelizadora

Lua

Catequista não é profissão, mas vocação

Lua

Arquidiocese italiana permite que católico transgênero receba o Crisma

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies