Sete Sacramentos

Sagramento do Matrimônio

“O pacto matrimonial, pelo qual o homem e a mulher constituem entre si o consórcio de toda a vida, por sua índole natural ordenado ao bem dos cônjuges e à geração e educação da prole, entre batizados foi por Cristo Senhor elevado à dignidade de sacramento” (CDC, Cânon 1055, pars. 1 e 2).

O matrimônio é o sacramento que abençoa e consagra o homem e a mulher, num contrato sagrado e indissolúvel, para se amarem, procriarem e educarem seus filhos. Portanto, é o sacramento da família, da vida familiar com Cristo.

Finalidade Salvífica do Matrimônio:
Santificar os esposos, santificar os filhos, santificar a família. O Matrimonio é recebido como sacramento por duas pessoas já consagradas pelo Batismo. Os cônjuges devem continuamente pensar: “Minha esposa (meu marido) é uma graça que Cristo me faz para me ajudar na minha santificação, na vivência do plano de Deus”.

O plano de Deus é que homem e mulher sejam felizes e vivam fecundamente o amor, cujos frutos são os filhos. Para os casais que eventualmente não consigam ter filhos, isso não impedirá a finalidade primeira do Matrimônio: para se amarem.

O Matrimônio é graça especial de Deus aos cônjuges, para que fortalecidos e agraciados por Ele sejam fiéis ao que prometem entre si, a Deus, e a todos os compromissos decorrentes da condição de esposos e pais de família.

Reciprocidade entre homem e mulher na Bíblia:
Segundo os desígnios de Deus, o homem e a mulher nos revelam aquela união primitiva que é a raiz inapagável da dignidade de ambos como pessoas humanas e da natural vocação de ambos ao amor recíproco: “Deus criou o homem à sua imagem, à imagem de Deus ele o criou, homem e mulher ele os criou” (Gn 1,27).

Antigo Testamento: A união conjugal é instituída e consagrada por Deus: “Por isso o homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 2,24). O vínculo matrimonial efetiva a união conjugal de maneira tão sublime e profunda que muitas vezes foi lembrada no AT como símbolo do relacionamento amoroso existente entre Deus e seu povo (Os 1‐ 3; Jr 3,1‐13; Ez 16,8‐62; e 23; Is 54,5‐8 e 62; e o Cântico dos Cânticos).

Novo Testamento: Jesus ratifica a instituição da união conjugal estabelecida por Deus no AT, e apresenta a aliança matrimonial como uma dádiva e um compromisso muito sublime, tão definitivo como o da fidelidade ao Eterno, expressa em Mt 19,3‐12 e Mc 10,2‐8.

O amor dos cônjuges está destinado a refletir o amor fiel e total com que o Senhor ama a sua Igreja (Ef 5,21‐33; Cl 3,18) e deve buscar o crescimento conjunto na fé e na aliança com Deus (1Pd 3,1‐7). Assim, a vivência do Matrimônio no amor e na fidelidade remete ao mundo a presença de Cristo unido à sua Igreja.

Postagens relacionadas

Os efeitos do Batismo

janaina santos santos

Unção dos Enfermos

Lua

Os sacramentos

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies