CatequeseCatequese de Crisma

Modelos de Catequese que marcaram a Igreja

1) Catecumenato
No meio dos gentios cresce a comunidade dos cristãos. Surge a necessidade de organizar a catequese, porque sempre aumentava o número de participantes desejosos de assumir o novo estilo de vida; eram judeus, gentios, pessoas nobres do Império, gente letrada. No séc. I nasce assim o catecumenato, que se dá num processo lento, concatenado.

Primeiro, o candidato se sente atraído pela vida cristã: é o pré-catecumenato; segundo, é admitido na vida cristã depois de manifestar o desejo de crer e viver como os cristãos, é alimentado pela Palavra de Deus e iniciado nos ritos litúrgicos.

E o tempo de formação, que não é conhecimento de dogmas, mas mergulho no mistério pascal, mergulho na fé da Igreja, que é crida, celebrada e vivida; finalizando essa fase com a recepção dos sacramentos da iniciação: Batismo, Crisma e Eucaristia; terceiro, recebe a instrução não por meio de um curso, mas da meditação do Evangelho e da participação na vida litúrgica da Igreja: Mistagogia.

2) Catecumenato cultural
É a catequese da Idade Média. Começa a ter razão de ser quando Constantino, em 313, põe fim à perseguição aos cristãos. A fé começou a ser manifestada em público. Com Teodósio, o cristianismo é oficializado como religião do Império; os pagãos são proibidos de se manifestarem. Com tudo isso, o catecumenato conhece o seu fim, porque todo mundo nasce obrigatoriamente na fé cristã.

Surge uma nova compreensão de catequese, se antes era iniciática, passa a ser herdada. A catequese se dá automaticamente pela imersão na cristandade: a arte, a escola, as catedrais… falam da fé cristã. Contudo, enquanto os pensadores da Igreja ficam preocupados em tematizar a fé através de grandes concílios, o povo faz a sua parte, apegando-se a devoções secundárias como apreço às relíquias, devocionismos… Cresce o apreço da Penitência e fica esquecida a Comunhão.

A Eucaristia “deixa de ser comida” para ser adorada, olhada em exposição no ostensório. Surgem preocupações com os novíssimos: céu, inferno, purgatório, morte. As missões populares difundirão a teologia do medo, enquanto a Escolástica estará preocupada com dogmas e doutrinas.

3) Catequese na Idade Moderna – Trento
Estamos no período da Renascença. A sociedade começa a se transformar. O vício do clero é criticado; o mundo científico inaugura descobertas impensáveis; Lutero faz a Reforma Protestante. A Igreja já não é mais a mesma de antes; precisa de novos horizontes. Faz acontecer o Concílio de Trento, começando em 1545, durando 18 anos, para combater a Reforma Protestante, é a Contra-Reforma.

Para o povo não ficar perdido diante desse mundo conturbando, Trento elabora pequenos e grandes catecismos, para os párocos e fiéis. O catecismo vai se basear na pedagogia do ensino, porque o conteúdo é a doutrina. O ensinamento está baseado na “tabula rasa”, pois a Igreja incute no fiel o que Deus confiou a ela. Consequentemente, valoriza a questão intelectual, exige-se decoreba. O foco está em quem ensina, pois tem autoridade para transmitir a fé. O modelo da catequese é a escola.

4) Vaticano II
O Concílio Vaticano II aconteceu entre o ano 1962 ao ano de 1965, portanto foram três anos. Se Trento aconteceu devido a Reforma, o Vaticano II se deu porque a sociedade havia se secularizado. Sendo assim, a Igreja não poderia continuar com modelos que não dissessem tanto ao mundo. Deixa de ser vista como sociedade perfeita – Corpo de Cristo, para ser vista como Povo de Deus.

Nasce a Catequese Renovada. Se antes estava centrada em quem ensina, agora passa a ser em quem aprende. Há uma revolução de foco. Passa a ser antropológica. É o catequizando quem desenvolve o conhecimento, não a partir da doutrina, mas da realidade; surge a catequese “pé no chão”, pois o indivíduo é agente de transformação; a fé leva a assumir seu papel social; o catequizando é chamado a assumir as “alegrias” e “angústias” do mundo.

Postagens relacionadas

Cinco dados sobre o novo ministério de catequista

Eraldo

Catequese: caminho que leva ao encontro com Cristo

Arquidiocese italiana permite que católico transgênero receba o Crisma

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies