ColaboradoresPe. Ernesto

O ano da FÉ

No dia 11 de outubro de 1962, o Papa João 23 abria de modo solene, o Concílio Ecumênico Vaticano II. Bento XVI, em recente pronunciamento, promulgou o Ano da Fé, para comemorar os cinquenta anos deste extraordinário evento, o mais marcante da Igreja Católica no século XX e um dos mais importantes de toda sua história quase bimilenar.

Referência dos Concílios da Igreja é sempre a assembleia apostólica de Jerusalém, ainda no início do Cristianismo, quando os apóstolos se reuniram para decidir sobre a questão da circuncisão e da validade da Lei mosaica, posta por Paulo e Barnabé (At 15). O que se decide em um Concílio Ecumênico vale para a Igreja inteira, ali representada pelos seus responsáveis maiores.

Realizado em quatro sessões e no prazo de três anos, foi encerrado em 8 de dezembro de 1965, já sob o pontificado de Paulo VI. Foi o 21º Concílio da Igreja em sua história de 2000 anos. Decorrido meio século desde sua convocação, a Igreja põe-se a avaliar o caminho percorrido. Houve acertos e erros na interpretação e vivência do Concílio: os Papas tiveram o cuidado de dar a correta interpretação de seus textos e indicar o caminho a seguir para uma autentica renovação pessoal e comunitária da vida cristã.

O que pretendia o bondoso Papa João 23 ao convocar, em tempo recorde, um Concílio Ecumênico com mais de três mil participantes? Queria que a Igreja fizesse a sua parte para melhorar sua colaboração com toda a comunidade humana, que se esforçava em assegurar ao mundo paz verdadeira e, ao homem, um desenvolvimento digno e integral.

Quis uma Igreja em diálogo com o homem de hoje, atenta aos “sinais dos tempos”(Mt 16,3), isto é, aos tempos novos, com seus desafios, oportunidades e problemas. João 23 queria que o Concílio levasse toda a Igreja e todos os seus membros para uma profunda conversão espiritual e ao crescimento da fé em Cristo, na fidelidade às inspirações e moções do Espírito Santo.

Já o Papa Leão 13, no século 19, advertiu o distanciamento da classe operária, como também o afastamento do mundo moderno, como um todo, das fontes da fé cristã. No pontificado do Papa Pio 12 (1939-1958), movimentos de renovação, fortes e influentes, começaram a surgir no seio da Igreja: os mais importantes diziam respeito ao estudo da Bíblia e à celebração do mistério de Cristo e de sua salvação na Liturgia.

Brilhante intelectual e agudo observador, o Papa Pio 12 viveu num período conturbado da história humana: a ascensão do Nazismo, o alastramento de governos ditatoriais no mundo e uma Guerra Mundial, que esfacelou a Europa, como também o início do fim do colonialismo.

O Papa sentiu claramente a necessidade da Igreja reaprender a dialogar com o mundo pelo crivo da modernidade. Eleito em 1958, João 23 surpreendeu a todos ao recolher tamanhos desejos e expectativas e os tornar realidade com a convocação do Concílio, que ele fez no dia 25 de janeiro de 1959. Seu objetivo era repensar e renovar os costumes do povo cristão e adaptar a disciplina eclesiástica às condições do mundo moderno.

Na visão profética de João 23, o Concílio devia ser como “um novo Pentecostes”, ou seja, uma profunda e ampla experiência espiritual, que transformaria a Igreja de Cristo em um movimento espiritual, moderno e dinâmico, de modo a dar uma alma à humanidade de hoje, que procura a Deus “às apalpadelas”. “Sopro de inesperada primavera”, o Concílio foi um divisor de águas: a Igreja começou a olhar o mundo e sua complexa realidade com renovado otimismo e viva esperança.

Os 20 Concílios anteriores foram convocados com a preocupação de condenar heresias e definir verdades da fé. O Vaticano II teve, ao invés, a intenção de voltar a atenção da Igreja para os problemas sociais e econômicos, que afligem a humanidade e, sobretudo, dar uma resposta aos desafios pastorais, que o mundo de hoje lança à comunidade cristã.

João 23, na solene abertura do Concílio, enfatizou que a Igreja não pretendia uma vez mais fazer listas de erros e condenações, como tantas vezes havia acontecido no passado, mas, apenas, queria revelar a todos a beleza e a riqueza de sua doutrina e apontar o rosto esplendido de Cristo no testemunho de seus Santos, como também usar o remédio da misericórdia e não mais o da severidade; enfim, queria mostrar ao mundo seu semblante maternal e acolhedor.

João 23 não pretendia revogar ou modificar o depósito da fé, que a Igreja recebeu de Cristo (Mc 3,13-15; 1Tm 6,20; 2Tm 1,14) e que ele devia salvaguardar com zelo de pastor, mas sua intenção era que a Igreja pudesse adaptar sua mensagem à mentalidade e sensibilidade do mundo de hoje, para que a Boa Nova do evangelho fosse melhor entendida e vivida em toda a sua profundidade e vigor.

Celebrar esse aniversário é, portanto, dar continuidade à visão profética do Papa João 23; é entender melhor o tempo em que vivemos; é se dispor a ter um papel mais positivo e participativo na evangelização; é ajudar enfim a humanidade de hoje a crescer nos valores autenticamente humanos e espirituais, para um convívio sereno e feliz entre todos os seres humanos.

 

Pe. Ernesto,
Paróquia São José –SAD-GO.
p.ernestoae@gmail.com

Postagens relacionadas

Igreja, sacramento universal de salvação

Catequistas devem ser “provocadores”

Eraldo

Dom Helder, Pastor e Profeta

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies