IgrejaPe. Ernesto

A alegria da missão

          Jesus não decepcionou as expectativas dos discípulos: além da promessa de sua presença, ativa e real, “até o fim do mundo”, partilhou com eles seu Espírito, sua autoridade, seu magistério, o poder de perdoar pecados e sua missão. Neste mundo tão conturbado, os cristãos são chamados a testemunhar, hoje, o específico da fé cristã: a alegria. “A alegria –  diz Gilbert K. Chesterton –  é o gigantesco segredo do cristão”. O povo de Israel era um povo alegre pela esperança de um Salvador; João Batista exulta de alegria pela vinda do Messias em sua casa; a Mãe do Messias, Maria, pobre e humilde, prorrompe no canto imortal de alegria, “o Magnificat”, pelo mistério nela cumprido.

       Alegrai-vos e regozijai-vos – diz Jesus por 9 vezes nas Bem-aventuranças. São Paulo exorta: “Alegrem-se, sempre, no Senhor”, pois Jesus Cristo – a personagem mais sublime da história humana – revela a maior alegria de Deus: o amor fraterno. Sua primeira mensagem foi um convite à alegria: os tempos messiânicos, sonhados pelos patriarcas, anunciados pelos profetas e esperados pelo povo, tinham já chegados. “Cumpriu-se o tempo; o Reinado de Deus já começou. Convertei-vos e acreditai no Evangelho” – foi o anúncio. Nas parábolas, recorre às imagens, que tocam fundo o coração humano, para realçar a alegria do Reino, por Ele inaugurado.

          É a alegria de um operário pela recompensa inesperada; por uma colheita surpreendentemente abundante; pelo perdão de uma enorme dívida; por um tesouro, descoberto; por uma pérola preciosa de incalculável valor, encontrada; pela volta ao lar paterno de um filho desavindo;  por uma “dracma”, perdida e achada; pelo convite à uma festa de bodas; por uma ovelha tresmalhada, recuperada; pelo grão de mostarda, feito grande árvore; por uma rede, lançada ao mar, que recolhe  toda espécie de peixes:  sinal de alegria pela salvação universal.

        “Voltaram muito alegres – os 72 discípulos, em sua missão experimental – dizendo: Senhor, até os demônios obedeceram a nós por causa de teu nome”. “Não fiquem alegres – respondeu Jesus – pelos maus espíritos, que se submeteram a vocês, mas porque seus nomes estão escritos nos céus”         . “Evangelizar – diz Papa Paulo 6º na “Evangelii Nuntiandi”constitui a graça e a vocação própria da Igreja, a sua mais profunda identidade: ela existe para evangelizar”. A todos os cristãos, Cristo partilha, pelos sacramentos do batismo e crisma, a sua missão profética, sacerdotal e pastoral.

        Fundamento da alegria cristã é, sem sobra de dúvida, a pessoa de Jesus Cristo. Ele, alegria do Pai, nos faz filhos adotivos de Deus e herdeiros de seu Reino: “Procura a justiça, procura os méritos, procura os motivos – exclama S. Agostinho – e não encontrará a não ser a graça divina”. Nobreza obriga: amor com amor se paga. Nossa resposta à tamanho amor é a fé, que nos eleva a ser sal da terra, luz do mundo, fermento de uma nova sociedade, justa e solidária, imagem da Trindade Santa, onde Deus é adorado, o homem honrado e o amor, colocado acima e antes de tudo. A irrupção do Reino definitivo haverá, somente, na etapa final da história humana.

 

Postagens relacionadas

Irmã Dulce: O amor e o serviço aos pobres e doentes

Eraldo

Santo Expedito

Lua

São Afonso

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies