CatequeseOutros assuntos

Papa elogia papel “insubstituível” dos catequistas

O Papa elogiou hoje o papel “insubstituível” dos catequistas na Igreja Católica, falando no vídeo mensal que divulga a sua intenção de oração para o mês de dezembro. “Os catequistas têm uma missão insubstituível na transmissão e no aprofundamento da fé. O ministério laical do catequista é uma vocação, é uma missão”, refere Francisco.

A intervenção, divulgada pela Rede Mundial de Oração do Papa, destaca que alguém “é catequista”, não “trabalha como catequista”. “É todo um modo de ser, e são necessários bons catequistas, que sejam ao mesmo tempo companheiros e pedagogos”, insiste o pontífice.

Precisamos de pessoas criativas que anunciem o Evangelho, mas que o anunciem, não com timidez ou com barulho, mas sim com a sua vida, com mansidão, com uma linguagem nova e abrindo novos caminhos”.
Francisco recorda que, “em tantas dioceses, em tantos continentes, a evangelização está fundamentalmente nas mãos de um catequista”.

Agradeçamos aos catequistas e às catequistas pelo entusiasmo interior com que vivem esta missão ao serviço da Igreja. Rezemos juntos pelos catequistas, chamados a anunciar a Palavra de Deus, para que a testemunhem com coragem, com criatividade, com a força do Espírito Santo, com alegria e com muita paz”, conclui.

O ‘Vídeo do Papa’ para o mês de dezembro apresenta catequistas e jovens trabalhando num mural.
Com sprays e tintas, dezenas de crianças e adolescentes ajudam o artista italiano Paolo Colasanti (em estilo Gojo) a reproduzir uma versão criativa da cena do lava-pés, numa parede do oratório da paróquia romana de Nossa Senhora de Coromoto.

O padre jesuíta Frédéric Fornos, diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, considerou um “gesto eloquente” a decisão de Francisco dedicar esta última mensagem de 2021 aos catequistas, no mesmo ano em que instituiu o seu ministério laical.

A decisão foi anunciada a 11 de maio, através da carta apostólica (Motu Proprio) ‘Antiquum ministerium’, publicado hoje pelo Vaticano. “Depois de ter ponderado todos os aspetos, em virtude da autoridade apostólica, instituo o ministério laical de catequista”, escreveu Francisco.

O texto sublinhava que “ainda hoje, há muitos catequistas competentes e perseverantes que estão à frente de comunidades em diferentes regiões, realizando uma missão insubstituível na transmissão e aprofundamento da fé”.

A decisão diz respeito a homens e mulheres que não pertencem ao clero nem a institutos religiosos, reconhecendo de forma “estável” o serviço que prestam na transmissão da fé, “desempenhado de maneira laical como exige a própria natureza do ministério”.
OC

source

Postagens relacionadas

Catequista não é profissão, mas vocação

Lua

Bingo Bíblico

Eraldo

Desafios da catequese no cenário da pós-modernidade

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies