Catequese

Missão e o ministério do catequista

No último domingo de agosto de cada ano a Igreja lembra, com gratidão e apreço, a pessoa do catequista. Para a Igreja no Brasil, celebrar o Dia do Catequista é uma forma de reconhecimento sobre a importância e grandeza deste ministério a serviço da evangelização.

Bom lembrar que a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em sua XIX Assembleia Geral, que aconteceu de 17 a 26 de fevereiro de 1981, em Itaici (SP), instituiu o mês de agosto como o Mês Vocacional. É neste contexto de um mês todo dedicado às vocações que se celebra o Dia do Catequista.

Fundamental ter presente que é a partir do mandato de Jesus de anunciar seu Evangelho em todos os lugares e fazer com que todos se tornem seus discípulos (Mt 28,19) que se compreende o ministério e a missão de todo catequista. Na verdade, evangelizar é missão de todo batizado. Contudo, aquele que, em sua vida, faz a experiência do encontro pessoal com Cristo se sente impelido para essa missão. São Paulo já dizia: “Ai de mim, se eu não anuncio o evangelho!” (1Cor. 9,16). Assim, o entregar-se ao anúncio do evangelho é uma necessidade que brota da própria experiência de fé.

Em maio deste ano, por meio do Motu proprio “Antiquum ministerium”, o Papa Francisco instituiu o ministério de catequista. Pode-se dizer que é um reconhecimento oficial da importância e necessidade deste ministério nas comunidades. Sem dúvida, essa é uma grande graça de Deus para toda a Igreja. Contudo, também exige grande responsabilidade, sobretudo, dos bispos em suas dioceses, pois deverão favorecer uma formação mais profunda e consistente para os que são chamados ao ministério da catequese e, no momento oportuno, com um rito próprio, conferir esse ministério nas diversas comunidades. E todo aquele que se sentir chamado por Deus, deverá fazer esse caminho de formação mais consistente em vista do servir melhor e, assim, saber lidar com os novos desafios que o mundo atual apresenta à evangelização.

Neste fim de semana, se torna oportuno uma prece de gratidão a Deus tendo presente cada catequista que vem se doando neste serviço dentro das comunidades de fé, buscando formar discípulos missionários de Jesus, sobretudo, num contexto tão exigente e especial que está sendo o da pandemia. É louvável, neste contexto diferenciado, ver tanta ousadia, criatividade, dedicação e empenho por parte dos catequistas onde, com os devidos cuidados e seguindo as orientações sanitárias, estão dando continuidade na arte de educar na fé crianças, jovens e adultos, levando-os ao seguimento de Jesus Cristo e à alegria de fazer parte de uma comunidade de discípulos missionários.

Por fim, se faz necessário lembrar os pais e outros responsáveis que, conscientes de sua vocação e missão, acompanham de perto e assumem de forma exemplar a missão que lhes é devida, pois educar na fé será sempre tarefa primeira dos pais. Nos diz o Papa Francisco: “A Igreja é chamada a colaborar, com uma ação pastoral adequada, para que os próprios pais possam cumprir a sua missão educativa; e sempre o deve fazer, ajudando-os a valorizar a sua função específica, e a reconhecer que quantos recebem o sacramento do matrimônio são transformados em verdadeiros ministros educativos, pois, quando formam os seus filhos, edificam a Igreja e, fazendo-o, aceitam uma vocação que Deus lhes propõe” (Amoris Laetitia, 85).

Que Deus em sua graça sustente e acompanhe todo aquele que está entregue à obra de evangelização.
Na manhã desta sexta-feira, os membros da presidência da CNBB, que foram recém-empossados, concederam entrevista coletiva à imprensa. Na ocasião, o arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da CNBB, dom Jaime Spengler, saudou a todos os presentes e fez um resumo das atividades realizadas ao longo dos últimos dez dias

Os desafios para a ação evangelizadora no meio urbano foi um dos pontos abordados pelo arcebispo de Goiânia (GO) e primeiro vice-presidente da CNBB, dom João Justino de Medeiros Silva, na primeira Coletiva de Imprensa da nova presidência da entidade, na manhã desta sexta-feira, 28 de abril

O bispo de Garanhuns (PE) e atual presidente do regional Nordeste 2 da CNBB ressaltou que compor o grupo da presidência é prestar um serviço aos irmãos bispos, às igrejas particulares, em espírito de colegialidade. “Partimos do critério da sinodalidade, de comungar, animar a vida, a missão as pastorais e esses serviços”, disse em última coletiva

O bispo de Rio Grande (RS) e novo secretário-geral da CNBB, dom Ricardo Hoepers, reforçou que a secretária geral é um serviço da CNBB à Igreja no Brasil e tem o papel, entre outros, de conduzir a gestão dos colaboradores, integrar o trabalho das 12 comissões e organismos e articular as iniciativas da entidade com os 19 regionais

Produzido pela equipe de audiovisual do Portal A12.com o vídeo mostra como funciona o trabalho numa Assembleia Geral da CNBB. O episcopado brasileiro esteve reunido no Centro de Eventos Pe. Vitor Coelho, em Aparecida (SP), entre os dias 19 e 28 de abril para a realização da 60ª AGCNBB

source

Postagens relacionadas

Papa Francisco encoraja catequistas a centrar a evangelização na Eucaristia

A catequese renovada para os dias de hoje

Eraldo

Encontro de 1ª Eucaristia

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies