Colaboradores

Qual é a ”eclesiologia” do Papa Francisco?

São Bento, no Rio de Janeiro, hospeda o I Simpósio Internacional “A Eclesiologia do Papa Francisco”. O Simpósio é organizado pela Sociedade Brasileira de Teologia Sistemática, SBTS, e o objetivo é promover o estudo da eclesiologia presente nos documentos, pronunciamentos e, principalmente, nas decisões e ações do Papa Francisco.

“Com isto, pretende prestar um serviço tanto à teologia quanto à Igreja em geral.

À teologia, pela consideração atenta dos temas e enfoques característicos do pontificado de Francisco. À Igreja, pelo aprofundamento do paradigma missionário e do significado de desafio de sair para as periferias existenciais.

O evento é coordenado pelo Padre Mario de França Miranda SJ e por Mons. Antonio Catelan Ferreira, membro da Comissão Teológica Internacional, que nos explica o teor da ‘Eclesiologia do Papa Francisco’.

“A eclesiologia do Papa Francisco é muito similar à eclesiologia do período Patrístico, dos padres da Igreja. Ele não produz muitas ‘peças’: discursos ou homilias técnicas sobre a eclesiologia, tem mais uma eclesiologia muito clara, mas espontânea, que transparece com clareza em suas decisões, nos seus atos e também em suas falas.

O modo como ele compreende a Igreja , a missão da Igreja, o ‘ser’ da Igreja, está presente em todos os seus gestos, não apenas nos gestos que impactam, mas nos gestos cotidianos e nas suas falas”.

“Como ele não era, antes do papado, um teólogo, muito embora tenha alta preparação teológica, ele produz teologia na liturgia, na pastoral, no espontâneo do dia a dia. Então cabe a nós, teólogos, pegar estas intuições e os elementos que ele apresenta e aprofundar, sistematizar, para que compreendamos”.

“Há dois modos de fazer teologia: um espontâneo e um técnico. Seria errado fazer uma oposição entre uma teologia mais técnica e uma mais espontânea. A teologia mais espontânea tem muito mais chance de eficácia do que a técnica, porque ela já se faz inserida, contextualizada, próxima às pessoas, já se faz com o ‘sabor pastoral’.

A teologia técnica tem que encontrar meios para sair do seu ambiente acadêmico das revistas especializadas. Ela cria algumas barreiras que protegem a sua profundidade, a sua qualidade, mas que, se não se tomar o devido cuidado, podem criar obstáculos a seu serviço eclesial”.

Postagens relacionadas

Papa pede coragem à Igreja na Amazónia

Lua

A restauração da humanidade em Cristo

Lua

Chamado Divino

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies