CatequeseIgreja

Arquidiocese italiana permite que católico transgênero receba o Crisma

A Arquidiocese de Turim aprovou um pedido do Pe. Antonio Borio para celebrar a Confirmação de um homem trans que passou por uma transição legal de gênero. De acordo com Luz:

“No início de abril, um pedido de confirmação chega à paróquia de Turim dos Estigmas de San Francesco d’Assisi. Um homem que deseja receber o sacramento com um nome masculino registrado civilmente o faz. No entanto, em sua certidão de batismo ainda havia o nome feminino que lhe foi dado ao nascer. Pe. Antonio Borio, nascido em 1947 e ordenado em 1974, sem saber o que fazer diante do pedido do homem que havia enfrentado o caminho da transição de gênero, pediu esclarecimentos na cúria [arquidiocesana] ao Pe. Alessandro Giraudo, conselheiro e colaborador do arcebispo Dom Roberto Repole.

Ao permitir a confirmação deste homem pós-transição, a arquidiocese interpretou criativamente uma diretriz de 2003 da Conferência Episcopal Italiana que proíbe a mudança de registros de batismo para pessoas trans:

“O problema da confirmação consistiu no fato de o nome de batismo constar nos registos paroquiais e não se preverem alterações posteriores ao registo. Por isso, o pároco pediu esclarecimentos à cúria sobre como conceder o sacramento da Confirmação a um homem que no momento do batismo parecia ter outro nome, como mulher. De acordo com o diário LoSpiffero, a Diocese de Turim autorizou a confirmação após encontrar a seguinte solução: conferir a Confirmação ao homem com o novo nome e ainda registrar o nome do batismo, mas ‘adicionando ao fundo a data e o número de protocolo da sentença do tribunal civil certificando a redesignação sexual’”.

Pe. Borio falou sobre a decisão de celebrar o sacramento, dizendo que mais casos como esse ocorrerão:

“A escolha de receber alguns sacramentos, como a Comunhão, a Confissão e a Confirmação, não depende do sexo. Então, é claro, todos os sacramentos prevêem a fé, mas não podemos medi-la se uma pessoa vem a nós e sente que está bem com Deus. Certamente não há discriminação diante do Senhor pelo sexo que se tem. São Paulo disse: “Já não há judeu nem grego; ele não é mais escravo ou livre; ele não é mais um homem ou uma mulher”. . .

“’Todo mundo tem um lugar na casa de Deus e não há discriminação com base no sexo’.”

Os funcionários da Arquidiocese de Turim decidiram, com razão, priorizar a pessoa humana que se apresentava, tornando secundárias as considerações burocráticas. Um bom cuidado pastoral muitas vezes requer tal criatividade quando há tensão entre (ou mesmo apenas ambiguidade) as regras da igreja e as realidades da vida. À medida que as pessoas trans e não-binárias se tornam mais visíveis publicamente e buscam os sacramentos, esperamos que os líderes da igreja em outros lugares também escolham colocar a dignidade e a humanidade das pessoas em primeiro lugar.

source

Postagens relacionadas

São Vito da Lucânia

Eraldo

Sacramentos online? Entenda porque não

São Bento

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies