BiblíaNovo Testamento

A DATA do NASCIMENTO de JESUS

Quando Jesus veio ao mundo ninguém o estava esperando. Embora o seu nascimento tivesse sido anunciado durante séculos pelos patriarcas e profetas e esperado ansiosamente por todo um povo e a humanidade inteira, sua vinda ao mundo, porém, passou completamente desapercebida: nem lhe foi registrada a data.

A primeira pregação apostólica, preocupada em anunciar o Reino – a sociedade alternativa, que Cristo veio inaugurar –  e, sobretudo, o mistério de sua morte salvífica e de sua Ressurreição, não se interessou dos detalhes históricos de sua vida terrena.

Os cristãos dos primeiros séculos seguiam as determinações do Império Rom         ano, conforme as indicações dos Apóstolos: o calendário daquela época contava o tempo a partir da fundação de Roma: marcavam o ano com as iniciais “Ab Urbe Condita” (a partir da fundação da Cidade, Roma).

Muitos, porém, começaram a ficar incomodados por esta data, pois a civilização romana, por tantos aspectos tão benemérita, marcada, como era, pela idolatria e superstição que tolerava a escravidão e a dominação do homem sobre o homem, não podia ser considerada início da civilização humana.

Mateus e Lucas narram os episódios da infância de Jesus com a intenção de transmitir a grande mensagem salvífica: Deus enviou seu Filho para salvar aqueles que não tinham nenhuma esperança de salvação. Para Lucas eram os pastores de rebanhos, considerados pelos judeus observantes “o lixo da humanidade”; para Mateus, ao invés, são os “magos”, vindos do Oriente, considerados impuros e excluídos da salvação, porque pagãos.

Por ter introduzido na história humana valores que dignificam a vida humana, começou a fazer-se estrada a ideia de que o nascimento de Cristo deveria ser considerado o evento central da história humana.

A ideia se fortaleceu quando no quinto século d.C. o Império Romano desmoronou pela corrupção de seus imperadores e a fome do povo. O Papa daquele tempo, São Leão Magno (440-461), se apercebeu da necessidade de elaborar um novo calendário, que tivesse como eixo central a pessoa de Jesus Cristo.

Encarregou, para isso, o monge Dionísio – tinha o apelido de exíguo por ser de baixa estatura – por ser um dos homens mais erudito da época. Brilhante teólogo, grande biblista e um profundo conhecedor da história da Igreja, contava, apenas, com algumas informações genéricas, extraídas do Evangelho.

O Evangelho de Mateus traz um dado, que, porém, não foi considerado por Dionísio: Jesus veio ao mundo “no tempo do Rei Herodes” (2, 1). Pelo historiador romano, Flávio Josefo, contemporâneo de Cristo, sabemos que este rei morreu no ano 4 a. C.. Portanto, Jesus deve ter nascido 7 anos antes do ano fixado por Dionísio.

O novo calendário teve um êxito extraordinário: imediatamente foi aplicado em Roma e em todas as províncias do Império. A história, assim ficou dividida em duas partes: antes de Cristo e depois de Cristo. Jesus Cristo é o eixo do tempo ao redor do qual gira todo acontecimento humano. Devemos viver de tal maneira que, também, no nosso dia-a-dia Ele seja Ele o centro da nossa existência para ela ter um sentido profundo.

Pe. Ernesto Ascione
Missionário Comboniano

Postagens relacionadas

A Bíblia indica que devemos aceitar a Tradição oral

Lua

Tradição escrita

Lua

Guia para ler o Novo Testamento

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies