Catequese
Outros assuntos

Ser Catequista: O que é? Para que serve?

Hoje, dia 24 de agosto, dia de S. Bartolomeu (Natanael), me vejo interpelado por uma multidão de pensamentos e sentimentos. É o dia que costumamos celebrar o aniversário de minha avó materna que partiu há 10 meses e estaria fazendo 96 anos.

É segunda-feira e estou organizando meus estudos e ações da semana e me deparo com a mesma busca de sentido que assola nesses mais de 5 meses de pandemia. Aí me vem o pedido para falar sobre o “ser catequista” e me dou conta do tempo passando.

No domingo, 29 celebraremos a vocação da/o catequista e volto no tempo. Estamos numa quarentena e na Festa da Natividade deste ano irei completar 40 anos de minha vocação como catequista. Meu Deus! O tempo me faz refletir!

Ser catequista é pertencer a uma vocação que foi lapidada no coração de Deus. De acordo com o Papa Francisco, ser catequista não é uma profissão, mas uma vocação. Ser catequista é uma vocação com raiz inserida na vocação cristã. No Batismo e na Crisma recebemos o compromisso de colaborar no anúncio da Palavra de Deus, segundo as nossas condições.

  Nós o recebemos como um chamado de Deus para transmitir o que o Senhor anunciou, o seu primeiro anúncio ou querigma, o dom que mudou a nossa vida.

Por isso, somos chamados e enviados a levar o anúncio às pessoas para que ele também possa transformar suas vidas. Nossa missão é conduzir a um encontro profundo com Jesus e cada catequizando e pessoa com quem convivamos deve ser convidado a caminhar com Jesus e seus apóstolos, sentindo-se parte de sua história.

Ser catequista é se sentir amado e chamado por Deus para o anúncio da sua Palavra, para ser testemunha dos valores do seu Reino e para sermos os porta-vozes da sua mensagem.

O ser catequista deve ser um caminhar constante, um itinerário feito a partir de Cristo e com Cristo, deixando que Ele se torne o centro de nossa vida, que nos convida a sair de nós mesmos e fazermo-nos próximos dos outros. Parece um caminho difícil. Precisamos de decisão, coragem e atitude como os primeiros discípulos (cf. Jo 1,35-51) e ousadia para entrar no barco da vida e buscar o extraordinário na rotina do nosso cotidiano.

Muitas vezes, no ritmo intenso vivemos, com as exigências que nos cercam, acabamos não percebendo realidades que nos interpelam e provocam para um sentido mais amplo da vida.

Ser catequista é abastecer-se nas fontes do mistério cristão, crendo, seguido e continuando a obra dEle. É participar da vida de fé em comunidade. É a experiência fantástica de formar os corações e as mentes para a autêntica vivência cristã da santidade. Não existe alegria maior do que comunicar a alegria e o amor que um dia nós encontramos.

É ser também consciente que “carregamos um tesouro precioso em vasos de argila” (cf. 2Cor 4,7), por isso, nosso testemunho cristão é fundamental para a conversão do coração dos nossos irmãos. Temos que ser coerentes e crentes daquilo que transmitimos.

A vocação de ser catequista não é processo acabado. Sempre devemos nos perguntar: Quem sou? O que nos faz realmente felizes? Como estou para Deus? São perguntas da nossa existência e das nossas razões que norteiam nossas escolhas, atualizam e refontizam a consciência do chamado e a certeza da missão. E cada experiência da vida deve nos levar em direção a Deus e seu mistério de salvação. Continuemos nossa jornada alimentados pela fé e pela esperança.

Ser catequista é se aproximar, escutar, estar junto, participar, sofrer e se alegrar com alguém, seja a criança, o jovem, o adulto, o velho, o enfermo, o menor carente, ou uma pessoa que necessita de nossa atenção. É sempre preciso caminhar e se deixar encontrar com Jesus Cristo. No encontro pessoal faremos a experiência do convício com quem pode ajudar a conhecer-nos com mais verdade, despertando o melhor de nós.

No dia a dia, se deve deixar a vocação aflora e transfigurar no gosto pela catequese, na criatividade dos encontros catequéticos; na esperança de melhorar a nossa sociedade; na motivação para uma formação continuada e na consciência de nosso envio em nome da Igreja.

O Papa Francisco no seu discurso aos catequistas em 2013, expressou gratidão aos que investem a vida ouvindo e praticando a palavra de Deus, mas também convidava a viver o seguimento imitativo de Cristo, indo ao encontro do outro, saindo, abrindo portas e ousando audaciosamente a trilhar novos caminhos para anunciar o Evangelho. Por isso não sei se sou teólogo catequista ou catequista teólogo!

Que Deus conserve no meu coração e no de todos os catequistas o ardor pelo anúncio do Evangelho de Jesus Cristo e da vida nova que Ele nos veio trazer. O catequista, ao ser chamado a fazer ecoar a Palavra de Deus, vai junto com Cristo e se doa pelo testemunho sustentado pela certeza do amor do Cristo.

 A catequese deve ser um espaço privilegiado para encontrar corações sedentos e conduzi-los à verdadeira fonte de vida e felicidade. Seja essa a alegria, a realização, a motivação maior de todo catequista: o encontro com Cristo que transforma e que traz sentido a todo coração humano.

Feliz Dia das/os Catequistas!

Irineu Castro da Silva Filho – membro da Animação da Catequese da Arquidiocese de Manaus e da equipe de formação do Conselho Arquidiocesano de Leigos/as

Postagens relacionadas

Batismo do Senhor

Lua

Catequista intinerante na evangelização

Eraldo

Instituição do Ministério do Catequista é explicada a padres da Diocese

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies