Outros assuntos

Catequistas, um serviço com raízes antigas voltado para o futuro

Em 1944, em plena Segunda Guerra Mundial, Pio XII publicou a encíclica Mystici Corporis dedicada à Igreja Corpo Místico de Cristo. Em uma passagem, depois de lembrar que os Padres da Igreja “quando celebram os ministérios, graus, profissões, estados, ordens e deveres deste órgão” também têm em mente os leigos e os leigos casados, o Pontífice acrescentou: “Sobretudo nas atuais circunstâncias, os pais e as mães de família, os padrinhos e madrinhas, e notadamente todos os seculares que prestam o seu auxílio à hierarquia eclesiástica na dilatação do reino de Cristo, ocupam um posto honorífico, embora muitas vezes humilde, na sociedade cristã, e podem muito bem sob a inspiração e com o favor de Deus subir aos vértices da santidade, que por promessa de Jesus Cristo nunca faltará na Igreja”.

A decisão de Francisco de instituir o ministério de catequista, que segue a abertura às mulheres dos ministérios do leitorado e do acolitado coloca-se no caminho já intuído pelo Papa Pacelli: especialmente em nosso tempo, a tarefa de testemunhar e transmitir a fé às novas gerações é uma tarefa para “os pais e mães de família”. Já ao longo dos séculos e ainda hoje em vários países, na ausência de sacerdotes, a fé tem sido mantida viva graças aos pais e mães e aos catequistas que passaram e muitas vezes sacrificaram suas vidas por isso. Hoje, no entanto, o envolvimento, o reconhecimento e a plena valorização dos leigos é uma urgência e muitas vezes uma necessidade nas sociedades secularizadas.

O Motu Proprio Antiquum Ministerium parte do Decreto do Conselho Ad Gentes, no qual os Padres do Vaticano II afirmavam: “É digno de elogio aquele exército com tantos méritos na obra das missões entre pagãos, o exército dos catequistas, homens e mulheres, que, cheios do espírito apostólico, prestam com grandes trabalhos uma ajuda singular e absolutamente necessária à expansão da fé e da Igreja. Hoje em dia, em razão da escassez de clero para evangelizar tão grandes multidões e exercer o ministério pastoral, o ofício dos catequistas tem muitíssima importância.. Uma consciência que cresceu nos anos seguintes e culminou com a Carta Apostólica Evangelii nuntiandi de Paulo VI.

A criação de novos ministérios laicais para responder às novas necessidades também foi discutida no recente Sínodo sobre a Amazônia, lembrando em particular o Motu proprio Ministeria quaedam, o documento com o qual o Papa Paulo VI em 1972 reformou os ministérios na Igreja. Na perspectiva que emergiu do Concílio, dos Sínodos, evidenciada no Magistério dos Sucessores de Pedro e em particular pelo atual Bispo de Roma, os leigos não são, portanto, chamados a realizar apenas um trabalho de suplência, porque há falta de vocações para o sacerdócio. Não é uma questão de suplência, mas de plena e reconhecida ação, envolvimento e co-responsabilidade: sua presença é verdadeiramente necessária para que a Igreja seja comunhão e seja missionária.

A instituição de um ministério pela Igreja torna evidente que a pessoa investida com esse carisma está realizando um autêntico serviço eclesial à comunidade cristã para o crescimento de sua vida e para seu testemunho de fé. A instituição de um ministério laical não se destina, portanto, a “clericalizar” a pessoa leiga. É de se esperar que este passo adicional ajude a contrariar aquele retorno do clericalismo tantas vezes denunciado publicamente por Francisco que, recordando-nos muitas vezes do papel do santo povo de Deus, o papel das avós e das mães na transmissão da fé, atualiza as palavras de Pio XII sobre os “pais e mães da família, padrinhos e madrinhas de batismo” chamados a expandir o “reino do Divino Redentor.

source

Postagens relacionadas

Catequese renovada

Eraldo

Ser Catequista: O que é? Para que serve?

Lua

O grande catequista é a própria comunidade

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies