CatequeseOutros assuntos

Instituição do Ministério do Catequista começa a ser delineada

Instituído pelo Papa Francisco em maio de 2021, o Ministério do Catequista vai ganhando contornos por todo o País. A tradução do Rito já foi aprovada na Assembleia Geral dos Bispos, no final de agosto de 2022 e enviada para Roma. Assim que chegar do Vaticano, ela será publicada. A partir de então, o rito poderá ser usado no Brasil. O rito de instituição será presidido pelo bispo diocesano e deverá coroar todo um processo desenvolvido na observância de critérios e itinerários. Na Diocese, os próximos passos dessa caminhada incluem a realização de uma formação para equipes de Coordenação Paroquial, dias 6 e 7 de maio, com a coordenadora da Catequese do Paraná, Débora Pupo.

Na verdade, o ano de 2023 iniciou, a nível diocesano, com a participação de Flávia Carla Nascimento e padres Joel Nalepa e Wagner Oliveira da Silva, e, Noelise Meister (integrante da Equipe Diocesana de Catequese) no encontro com coordenadores diocesanos, assessores e padres coordenadores da Ação Evangelizadora, dias 25 e 26 de fevereiro, em Curitiba, que refletiu sobre o estudo e esclarecimento sobre o itinerário formativo do Ministério de Catequista. O encontro teve a assessoria do padre Jânison de Sá Santos, assessor da Animação Bíblico-Catequética da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. Outra reunião entre coordenadores e assessores está programada para dias 7 e 8 de outubro, quando haverá uma projeção das ações em vista da Instituição. “A intenção é buscar sempre um caminho de unidade com o Regional”, assegura Flávia.

A nível de coordenação paroquial, em maio, dias 6 e 7, Débora Pupo vai abordar mais minuciosamente o Ministério de Catequista, detalhando como se dará a instituição, a quem se dará e o que representará na prática das paróquias. Ainda está previsto o estudo do Motu Proprio ANTIQUUM MINISTERIUM, estudo do subsídio da CNBB com os ‘Critérios e Itinerários para a Instituição do Ministério de Catequista’ e do Documento 112 da CNBB pela equipe de coordenação paroquial. Um seminário Provincial, dia 5 de agosto, terá como tema também o Ministério de Catequista e acontecerá aqui na Diocese de Ponta Grossa.

Nas paróquias, deverá ser organizada a formação de catequistas, sob responsabilidade das equipes de coordenação paroquial de Catequese, o que é considerado por Flávia Nascimento um passo fundamental para a continuidade do processo na Diocese. “Somente com uma formação paroquial organizada poderemos dar os passos necessários para o Ministério de Catequista”, reforça, contando que, como parte da preparação diocesana, foi solicitado pelo Regional Sul 2 um levantamento da realidade formativa da Diocese. “A equipe estadual solicitou esse levantamento para ajudar as dioceses a se organizarem”, explica.

Cabe à coordenação diocesana, além do estudo Motu Proprio AM, a elaboração de um plano formativo, a definição do âmbito da formação ministerial e a preparação prévia das equipes coordenadoras paroquiais. Para isso será formada uma equipe ampliada, com a participação do bispo, da coordenação da Ação Evangelizadora e de alguns padres. Em seguida, após a elaboração do plano formativo diocesano, será realizada a preparação prévia das equipes de coordenadores paroquiais.

Critérios

A proposta contida no Documento 112 da CNBB é que, neste momento, se faça o discernimento entre catequistas já atuantes e catequistas iniciantes, segundo os critérios relacionados. Cada um dos grupos seguirá um itinerário de formação em vista da recepção do ministério:  já atuantes, itinerário formativo de, no mínimo, seis meses; iniciantes, experiência e formação de cinco anos. Entre os já atuantes, a escolha cabe ao pároco, em diálogo com as coordenações paroquiais da Iniciação à Vida Cristã e outros grupos que ele julgar oportuno. Será preciso ter no mínimo 20 anos de idade e 5 anos de atuação na Catequese; ter participado da formação básica proposta pela arqui/diocese; ter participado da formação específica e imediata para a recepção do ministério, por, no mínimo, 6 meses.

Entre os catequistas iniciantes, a escolha também cabe ao pároco, ter no mínimo 20 anos de idade; ter participado do itinerário de preparação, de acordo com as orientações da CNBB: atuação e experiência na Catequese de, no mínimo 5 anos; cumprimento de todas as etapas de formação. A formação ministerial deve durar, no mínimo, seis meses para os atuantes (catequistas com mais de 5 anos de experiência na catequese e que já passaram pela formação básica diocesana) e cinco anos para os iniciantes. “Mesmo que muitos catequistas já sejam considerados aptos para a recepção do Ministério, não convém apressar muito a sua recepção, sem que haja um discernimento sobre esse novo contexto”, orienta em seu 38 o Documento 112.

O Documento da CNBB ainda considera que não devem ser instituídos candidatos aos ministérios ordenados; religiosos e religiosas; professores de religião católica nas escolas e aqueles que atuam em uma Catequese específica dentro de movimentos eclesiais. O motivo: seu serviço tem uma natureza própria, especificamente definida e distinta do serviço ministerial da Catequese a serviço da Iniciação à Vida Cristã. O discernimento de casos particulares caberá ao bispo em diálogo com as coordenações e conselhos.

“O Ministério instituído do catequista é estímulo à perseverança; valoriza catequista e Catequese perante a comunidade eclesial missionária; catequista e comunidade se tornam mais conscientes da responsabilidade de sua missão; catequista assume a missão como responsabilidade própria e não como uma simples delegação ou atribuição, e, a comunidade eclesial missionária se compromete com a pessoa que é seu porta-voz numa missão catequética (educação da fé) tão importante.

Ministério

Hoje os catequistas já exercem seu ministério, mas de forma reconhecida ou confiada, mas ainda não instituída. Pelo Ministério reconhecido, o catequista exerce seu ministério com a aprovação do pároco e o apoio da comunidade. No caso do Ministério confiado, o catequista realiza seu ministério em nome da Igreja, que através de seus pastores autoriza tal serviço à evangelização, por meio de nomeação ou rito litúrgico (celebração de envio do catequista). E futuramente, no Ministério Instituído, haverá um reconhecimento oficial do ministério laical de catequista, que se dará a partir de um rito litúrgico de ‘instituição’, feito pelo bispo. E será assegurada a estabilidade do catequista como ministro instituído. Não comporta uma segunda instituição. Porém há uma distinção entre o ministério e o exercício da Catequese.  A sugestão da duração do exercício do ministério é de quatro a cinco anos. Ao fim do tempo do exercício, a pessoa instituída não perde o ministério: ele é estável. Mas seu exercício poderá ser renovado ou não.

É importante esclarecer e reforçar que hoje os catequistas ainda não são instituídos, mas já exercem seu ministério de forma reconhecida ou confiada pela Igreja. E nem todos os catequistas cumprirão todos os critérios para serem instituídos, mas nem por isso deixarão de continuar exercendo seu ministério, que de certa forma, é um exercício reconhecido ou confiado pela Igreja.

“A diferença entre ser catequista instituído e catequista não instituído não está na essência do ser catequista, mas no compromisso que é assumido publicamente perante a Igreja, a partir de um rito próprio de instituição para exercer tal ministério com atitude de serviço, humildade, zelo, ‘apaixonamento’”, define o Documento da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil.

Postagens relacionadas

Modelos de Catequese que marcaram a Igreja

Eraldo

Bingo Bíblico

Eraldo

Diferença entre orar e rezar – as “vãs repetições”

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies