Catequese

Leigos e catequista

No quarto domingo do mês vocacional, celebramos a semana de orações para a vocação para os ministérios e serviços na comunidade: é dessa forma o atual diretório de liturgia da CNBB coloca o tema. Porém convencionou-se de que o quarto domingo seria a oração pela vocação dos leigos na e como Igreja. Sabemos que no último domingo do ano litúrgico, o domingo de Cristo Rei, celebra-se o dia do cristão leigo com a ênfase de sua presença no mundo e, neste ano especialmente, o início do ano do leigo e da leiga.

Além disso, já é uma tradição na Igreja do Brasil, no últmo domingo de Agosto (neste ano coincide com o quarto domingo), comemorarmos o Dia Nacional do catequista. A Igreja, portanto, insiste no protagonismo dos leigos, seja nos âmbitos da fé e da comunidade eclesial, mas também na esfera do mundo, que é a atuação por excelência do leigo. O leigo cristão tem a missão de ser o fermento de transformação profunda das realidades temporais, vivendo na comunhão da Igreja.

Os Leigos são cristãos que têm uma missão especial na Igreja e na sociedade. Pelo batismo, receberam essa vocação que devem vivê-la intensamente a serviço do Reino de Deus. Na Igreja existem as diversas vocações: a sacerdotal, a diaconal, a religiosa e a leiga. Todas são muito importantes e necessárias, pois brotam do Batismo, fonte de todas as vocações.

Dentro da comunidade eclesial, os leigos são chamados a desempenhar diversas tarefas: catequista, Ministro Extraordinário da Comunhão Eucarística, Ministros Extraordinários da Esperança ou das Exéquias, agente das diferentes pastorais, serviço aos pobres. Menores, crianças, encarcerados e aos doentes. São chamados também a colaborar no governo paroquial e diocesano, participando de conselhos pastorais e econômicos. Não como simples colaboradores do bispo e dos padres, mas como membros responsáveis e ativos da comunidade, assumindo ministérios e serviços para o engrandecimento da Igreja de Cristo.

Catequista é aquele/la que se coloca a serviço da Palavra, que se faz instrumento para que a Palavra ecoe. O Senhor chama você para que, através da sua vida, da sua pessoa, da sua comunicação, a Palavra seja proclamada, Jesus Cristo seja anunciado e testemunhado.

A vocação do catequista é fundamental no centro da vida paroquial, porque ele transmite a fé. Ser catequista é ter consciência de ser chamado e enviado para educar e formar na fé. Sabemos que há diversidade de dons e de ministérios, mas o Espírito Santo é o mesmo. Existem diversos modos de ação, mas é o mesmo Deus que age em todos e realiza tudo em todos. É assim que nos diz a Bíblia, a Palavra de Deus.

Carisma é um dom do alto, que torna seu portador apto a desempenhar determinadas atividades e serviços em vista da evangelização e da salvação. Todo catequista tem um carisma e recebe este dom, que assume a forma do serviço da catequese na comunidade. É uma graça acolhida e reconhecida pela comunidade eclesial, que comporta estabilidade e responsabilidade. Ser catequista é uma vocação e uma missão. Neste ano que aprovamos do documento sobre a iniciação à vida cristã, essa missão se reveste de uma importância impar.

Uma das preocupações fundamentais da Igreja hoje é a formação de seus agentes pastorais. Temos necessidade de muitos e santos evangelizadores. A vocação é essencialmente eclesial e está destinada ao serviço e ao bem da comunidade. A Igreja, como assembleia dos vocacionados à santidade, tem o compromisso e o dever de preparar adequadamente, seus filhos e filhos para que realizem, com fé, amor e eficácia, o projeto de evangelização.

A pessoa do catequista é fundamental para a vida da Igreja. Por meio dela a Igreja vai exercendo de um modo específico a “educação da fé”. Bela missão, rica de possibilidades e também de desafios imensos. Ao percorrer um ano de atividades, nas suas mais variadas expressões e condições, segundo as diversas realidades pessoais, culturais, geográficas e mesmo de experiência de fé, convidamos todas as pessoas que exercem essa bela e árdua missão a lançarem um olhar sobre o caminho percorrido para avaliação e um olhar para o futuro, para programação.

         O documento Catequese Renovada, números 144-151, apresenta um roteiro geral sobre a missão de catequista, que podemos assim resumir:
Relembro que a 55ª. Assembléia Geral da CNBB, reunida em Aparecida de 26 de abril a 05 de maio de 2017, aprovou o Documento 107, “Iniciação à Vida Cristã: itinerário para formar discípulos missionários!”, em que os bispos no Brasil reafirmaram que a catequese deve estar à serviço da Iniciação à Vida Cristã, portanto, a corresponsabilidade de toda comunidade é fundamental para formar novos discípulos-missionários.

Devemos buscar novos caminhos pastorais e reconhecer que a inspiração catecumenal é uma exigência atual, que permitirá formar discípulos conscientes, alegres, disponíveis, atuantes e missionários. A vida cristã é um novo modo de viver como Cristo que requer um itinerário mediante os quais a pessoa aprende e se deixa envolver pelo mistério amoroso do Pai, pelo Filho, no Santo Espírito.

Para cumprir bem sua missão, o catequista deve ser uma pessoa inserida na comunidade eclesial, ter um espírito de abertura e humildade para procurar sempre crescer. É indispensável que o catequista tenha uma experiência pessoal e comunitária da fé para que sua missão seja frutuosa. Importante, ainda, é a participação do catequista em cursos de capacitação, mas é necessário também que tenha consciência de ser membro de uma equipe que trabalha para o mesmo objetivo e por isso deve cultivar uma vida comum, refletir, organizar, trabalhar e avaliar junto e, ainda, celebrar comunitariamente a fé e a missão. Quero cumprimentar todos os catequistas de nossa Arquidiocese, agradecendo, seu trabalho precioso, generoso e fundamental na evangelização da grande cidade. Que Nossa Senhora Aparecida, a primeira catequista, ilumine sua missão e nunca lhe falte a assistência divina, amém!

Neste mês de maio, a intenção de oração é pelos movimentos e grupos eclesiais. Francisco afirma que “os movimentos renovam a Igreja com a sua capacidade de diálogo a serviço da missão evangelizadora” e pede que “os movimentos e grupos eclesiais redescubram cada a sua missão evangelizadora, pondo os próprios carismas a serviço das necessidades do mundo”

O encontro que acontece a cada dois anos será realizado na Casa Dom Luciano Mendes de Almeida, em Brasília (DF). O evento é voltado para estudantes, docentes, profissionais de arquitetura, engenharia e artes, padres, diáconos, seminaristas, religiosos, membros dos conselhos de economia e administração de paróquias e santuários, equipes de liturgia e leigos

O Papa Francisco realizou, no último final de semana, a sua 41ª viagem apostólica com o tema “Cristo é o nosso futuro”. Entre os dias 28 e 30 de abril, visitou a Hungria e teve oito compromissos com autoridades civis, com membros da Igreja, com refugiados, crianças e jovens. “Francisco pediu a Nossa Senhora um futuro cheio de berços, não de túmulos

Foram introduzidas novidades e mudanças em relação à composição dos participantes da Assembleia Geral de outubro no Vaticano: 70 “não bispos” também participarão como membros votantes, identificados pelas Conferências Episcopais e Conselhos das Igrejas Orientais e após nomeados pelo Papa.

O encontro teve o objetivo de aprofundar a missão das Obras Missionárias, dentre elas, a Propagação da Fé, na promoção da consciência missionária do povo de Deus, nas igrejas locais, pela oração, estilo de vida de todo batizado e a solidariedade com a evangelização local e para a missão Ad Gentes no Dia Mundial das Missões

source

Postagens relacionadas

Creio em Jesus Cristo

Lua

Bispo de Portugal, Espanha e Itália debateram novo Ministério de catequista

Carta de Dom José Antônio Peruzzo aos catequistas

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies