CatequesePastorais&Movimentos

Leigos Catequistas: Ministros da Igreja

Com nossa missão schoenstattiana de ajudar a criar uma nova ordem social cristã, temos a missão apostólica em nosso DNA. Deus nos dá a graça e a missão de participarmos da missão que Jesus deu aos Apóstolos:  “Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a toda criatura.” (Mc 16,15).

Mas, há alguém em nossa história de vida, a quem devemos nossa primeira evangelização: nossos catequistas. Sem eles, não poderíamos ter crescido no conhecimento. O Papa Francisco escreve que a história da Igreja, nos mais de dois mil anos, mostra de modo muito evidente a importância da missão dos catequistas. Por isso, em maio deste ano, com seu Motu proprio “Antiquum ministerium“,  ele institui a missão de ser catequista como um ministério na Igreja.

É um dom, ou seja, um presente de Deus, pelo qual a pessoa tem o direito de servir a sua comunidade em representação oficial dos bispos e sacerdotes, os primeiros responsáveis pela evangelização. “Schoenstatt fez com que o meu amor filial à Mãe e Rainha crescesse muitíssimo e esse amor à Mãe me leva ao amor incondicional a Jesus. Tenho necessidade de transferir esse amor à todas as crianças e ajudar para que elas experimentem também esse amor a Jesus e sua Mãe.”

Essa fala de Glauciani Vieira Melatto, catequista no Santuário, em Araraquara/SP, está de acordo com o que o Papa Francisco escreve no número 8 da carta citada: “O Catequista é simultaneamente testemunha da fé, mestre e mistagogo (instrutor), acompanhante e pedagogo que instrui em nome da Igreja. Uma identidade que só mediante a oração, o estudo e a participação direta na vida da comunidade é que se pode desenvolver com coerência e responsabilidade.”

O Papa escreve também sobre a importância de ser um catequista “que tenham uma participação ativa na vida da comunidade cristã, que sejam capazes de acolhimento, generosidade e vida de comunhão fraterna.”(8) Silvia Regina de Freitas Araujo, catequista há 14 anos, diz que “por meio dos ensinamentos de Schoenstatt, podemos transmitir para as crianças o quanto é maravilhoso podermos chamar a Deus de Pai e a Maria de Mãe.” E Juliana Pereira Zanon Reis, catequista no mesmo Santuário, diz que sua atuação nesse ministério é uma retribuição pela acolhida que ela também recebeu no Santuário: “Fiquei muito feliz em ser recebida com tanto carinho. Escolhi em continuar na catequese do Santuário por ser um local onde é bom estar, no qual também estou aprendendo muito.”

O Papa chama a atenção para que os leigos catequistas estejam conscientes de sua dignidade como leigos “sem cair em qualquer tentativa de clericalização.”  Pois, ser missionário é “típico de cada um dos batizados.” Cristiane Ap. Colombo Rodrigues, Araraquara, é catequista há 22 anos e já perdeu a conta de quantas pessoas ajudou a encontrar-se pessoalmente com Jesus, podemos imaginar também quantas horas, dias e meses de sua vida foram “gastos” em preparação de aulas. Mas, ela vê tudo isso com muita alegria: “Ser Catequista é um privilégio, um presente de Deus para mim”.

Ana Lúcia Chagas Azanha chama a atenção para isso, pois é preciso “conhecer a doutrina da Igreja para poder viver o Evangelho e transmitir as verdades do evangelho não só com o conhecimento, mas também com o exemplo, com a prática da autoeducação.”

Nesse dia, rezemos por todos os leigos catequistas. “Faz parte da essência do cristianismo a consciência missionária e evangelizadora. No momento em que a consciência de missão está muito debilitada, sobretudo em países que no passado foram os baluartes da evangelização, Schoenstatt se sente chamado a avivar e dinamizar a consciência de missão e o compromisso evangelizador.”

source

Postagens relacionadas

A importancia da Oração

Eraldo

Ação Pastoral

Lua

O Vídeo do Papa: Os Catequistas

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies