Outros assuntos

A importância da realidade como conteúdo da catequese

Procurando ser fiel ao princípio da Interação entre fé e vida, entre as formulações da fé e a caminhada da comunidade, entre o crescimento na fé e a atuação prática na vida, necessário se faz levar para a nossa catequese temas que aproximam os catequizandos das realidades concretas nas quais eles se encontram. Esta prática catequética nos leva a elaborar os conteúdos da catequese para que ela seja um processo contínuo na vida dos catequizandos.

Para que a catequese, com seus conteúdos e práticas, produza a sua eficácia nas diversidades das realidades concretas, atentos às características culturais e sociais e à mensagem de salvação encarnada na história, no dia-a-dia dos catequizandos e da caminhada do povo, teremos de partir para a pluralidade de expressões da fé, não perdendo de vista a unidade fundamental da mesma, o uso da linguagem o mais possível vivencial à realidade presente e a dimensão comunitária e/ou social da fé.

A reflexão sobre a importância da catequese em um processo de interação fé e vida, nos convoca a uma observação atenta aos temas desenvolvidos na catequese. Estes sejam realmente textos permeados da mensagem catequética e que se estendam até à realidade dos catequizandos. Uma verdadeira catequese acontece quando o anúncio da salvação, realizado por ela, for feito dentro da realidade concreta. Fazer essa ligação entre a fé e vida é a grande tarefa e arte do catequista, diante das diversas situações concretas.

O catequista é o artista, o mistagogo, o pedagogo que, estando com o tema proposto na mão, ele precisa cuidar da linguagem, metodologia, e principalmente encarná-lo na caminhada dos catequizandos.

Uma primeira preocupação na transmissão do conteúdo se torna latente ao nosso redor: a realidade.

Como conhecer a realidade?

Cada um de nós tem uma visão do mundo de hoje. Assim, cada catequista é chamado a fazer a análise da sua realidade. Ele deve ter uma consciência crítica da realidade sócio-econômico-política, cultural e ideológica para aprender ler nela os sinais de Deus.

O catequista também precisa voltar o seu olhar para Jesus para compreender como ele via mundo, se interagia com ele. Como Jesus viveu a nossa história e nela anunciou o Reino.

O Documento “Catequese Renovada”, documento base para estas nossas reflexões, nos despertam para esta metodologia. O estudo nos orienta para as várias visões que o homem tem da realidade. Percebe-se que grande parte do nosso povo possui uma visão do mundo e do homem baseada em uma crença em Deus manifestada em diversas expressões da religiosidade popular. Mas, muitas vezes, é uma fé desvinculada da vida, às vezes cheia de elementos estranhos ao cristianismo (cf. CR. 3.1).

Vamos pensar os encontros catequéticos sempre analisando a realidade em prol do anúncio da fé. No centro de cada encontro está a mensagem da fé que deve ser vivida no contexto concreto da realidade de cada um.

Para o aprofundamento desse estudo vamos dar uma olhada no documento de Puebla (308-315; 444-456; 914). Boa leitura.

Neuza Silveira de Souza.

Coordenadora do Secretariado Arquidiocesano Bíblico-catequético de Belo Horizonte.

Postagens relacionadas

Consolidar formação paroquial de catequistas é meta para 2023

Dona Glória, brusquense que é catequista há 60 anos

Eraldo

Batismo do Senhor

Lua
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies