ColaboradoresPe. Ernesto

Uma vida para sempre

Aspiração mais profunda do coração humano é viver uma vida em plenitude e  para sempre: dom sagrado –  protegido por Deus – a vida é o maior presente de Deus. Apalpamos sua presença amorosa em tantas manifestações de nosso convívio humano: família, amigos, companheiros de fé, colegas de trabalho, vizinhos. Um reflexo de sua presença amorosa o percebemos na alegria  do amor dos esposos, no bulício e brincadeiras das crianças, no idealismo dos adolescentes e jovens,  no exemplo dos heróis da caridade e dos que lutam por um mundo mais humano e solidário. A nossa vida humana pode se comparar  às duas caras de uma moeda: sorrisos e lágrimas.

Pano de fundo da filosofia moderna é o existencialismo ateu: preconiza a vinda de um super-homem e a morte de Deus. “A vida – segundo estes profetas de desventura, J. F. Sartre, A. Camus, F. Nietzche – é um absurdo niilista, uma paixão inútil, uma náusea; uma má noite, numa má pousada”. No entanto, Deus enviou seu Filho para elevar e eternizar a vida humana: ela se torna plena e digna de ser vivida, na medida em que fazemos dela  um dom para os outros, partilhando com eles tudo o que temos: “Quem não vive para servir, não serve para viver”.

O maior enigma da vida humana – diz o Concílio Vaticano 2ª – é a morte. O homem sofre com a dor e a desintegração progressiva do corpo”. “Deus não fez a morte – afirma o livro da Sabedoria –  nem se alegra com a destruição dos viventes”. “Em Cristo, –   a Igreja, na oração pelos defuntos – brilhou para nós a esperança de uma feliz ressurreição” A vida não termina com a morte, transforma-se:  como o grão de trigo morre para dar frutos abundantes, assim, a vida humana, terminado o seu itinerário terreno, transforma-se em vida nova e eterna.

Cristo prometeu: ”Vou preparar um lugar, para que onde eu estiver estejais vós também”. Ele morreu e ressuscitou para nos dar vida e vida em plenitude. A esperança cristã  de uma vida perene fundamenta-se, assim, na ressurreição de Cristo. Uma doutora americana, psiquiatra, Elisabeth Ross, escreveu no seu livro “Sobre a Morte e o Morrer”: “Entre os muitos pacientes, que eu atendi, somente aqueles que tinham uma fé viva em Deus mostraram uma invejável serenidade perante a morte”. Graças a Cristo ressuscitado, o homem não é um ser para a morte, mas para a vida, desde agora e para sempre.

O nosso Deus não é um Deus dos mortos, mas dos vivos” –  afirma Jesus. A morte não tem a última, mas a penúltima palavra. “O Espírito de Deus – diz o apóstolo Paulo – que ressuscitou Jesus dos mortos,  dará vida aos nossos corpos mortais, pois este mesmo Espírito habita em nós”. A Igreja proclama na celebração pelos defuntos: “Como todos morrem em Adão, assim, todos em Cristo terão a vida”. O nosso corpo, também, será revestido, um dia, na inauguração do mundo novo, no final dos tempos, de uma esplêndida veste de glória imortal: “semeado corruptível ressuscitará corpo incorruptível” – diz São Paulo.

 

Padre Erensto Ascione
Missionário Comboniano

Postagens relacionadas

Família chamada a viver na Eucaristia

Lua

Dom Helder, Pastor e Profeta

Lua

A Partilha do Pão da Vida

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies