IgrejaSete Sacramentos

Sacramento não é serviço de compra e venda, diz pároco

Cidade do Vaticano: A Paróquia São Pedro, que fica no coração de Porto Alegre/RS, comemora em 2019 os seus 100 anos de presença evangélica e, segundo Pe. Luciano Massullo, procura viver o centenário, “não como uma data de museu mas com um reavivamento da chama do Evangelho” na vida comunitária.

Pelo seu caráter tradicional, a São Pedro já teve a maior frequência da comunidade, mas como todas as outras paróquias, tem perdido muito em participação. Ao viver um contexto paroquial bastante urbano, numa das cidades mais secularizadas do Brasil, a procura acontece normalmente para celebrar sacramentos, sobretudo o do Matrimônio, pela beleza do templo, afirma Pe. Luciano.

O maior desafio hoje, então, de ser pároco local, é conseguir levar a palavra de Deus e o testemunho do Evangelho em meio a uma comunidade “que às vezes se mostra indiferente a tudo isso”.

“Penso que o maior desafio em nossos dias é conseguir traduzir o Evangelho, a Boa Nova e aquilo que a Igreja quer ser para a sociedade que vem nos procurar nas realidade paroquiais, com a ideia de comprar alguma coisa, comprar um serviço religioso: então eu venho comprar um sacramento, seja do batismo, eucaristia, matrimônio, e eu tenho que transformar esse desejo de compra num desejo de aproximação do Senhor e conseguir traduzir isso pra eles.

Esse é o desafio. Porque eu posso também vender o produto: eles vêm comprar e eu poderia vender o produto. Eles vêm, pagam pelo sacramento, recebem o sacramento e vão embora felizes. Mas essa não é a missão da Igreja! Nós temos uma missão muito maior do que essa! Sabemos que é uma realidade triste, mas na mentalidade de muitas pessoas perpassa essa ideia – talvez até construída por nós; quem sabe nós tenhamos construído isso ao longo dos séculos de que o sacramento é alguma coisa que se compra e que alguém está vendendo o sacramento.”

“A iniciação à vida cristã não se faz de um dia para o outro. Como nós não queremos encarar esse processo como uma simples catequese – alguém que começa a ser iniciado, será iniciado a vida inteira – não será em 2-3-4 anos. Então, a gente espera que com o tempo isso possa repercutir na vida das famílias.”

O pároco enaltece o desafio dos dias de hoje de reverter essa ideia de compra e venda de um sacramento. E uma vez existindo a reaproximação com a Igreja, fazer com “queiram estar conosco e se sintam animados em ser cristãos”.

A Paróquia São Pedro auxilia nesse processo, trabalhando com casais jovens e com a própria juventude, mas especialmente seguindo o desafio pastoral da arquidiocese que é a Iniciação à Vida Cristã. Pe. Luciano acrescenta que as atividades consistem em resgatar a comunidade através do Batismo, da Eucaristia e do sacramento da Crisma, “não como catequese, mas como um percurso que aproxima as pessoas do Evangelho”. O trabalho faz parte do empenho da Igreja no Brasil em implantar a Iniciação à Vida Cristã envolvendo toda a comunidade evangelizadora.

“A resposta ainda é lenta, como os próprios bispos no Brasil, a partir daquele documento em que convida toda a Igreja a retomar o processo de iniciação à vida cristã, é um processo que levará anos para surtir efeito. Por quê? Porque a iniciação à vida cristã não se faz de um dia para o outro. Como nós não queremos encarar esse processo como uma simples catequese – alguém que começa a ser iniciado, será iniciado a vida inteira – não será em 2-3-4 anos.

Então, a gente espera que com o tempo isso possa repercutir na vida das famílias. Iniciarmos os jovens e as crianças mas, ao mesmo tempo, fazermos com que as família que estão por trás dessas crianças e jovens. 

source

Postagens relacionadas

Santa Luísa de Marillac

Papa Francisco institui o Ministério de Catequista

Lua

Domingo é “o dia do Senhor”

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies