IgrejaOutros assuntos

Celebraçao onomástico

Onomástico: os santos vivem nos nossos nomes. Alegrem-se, porque seus nomes estão escritos nos céus”. (Lucas 10,20) Essa maravilhosa e profunda frase evangélica nos recorda que palavra onomástico indica o dia no qual se festeja, no mundo católico, a memória do santo ou da santa da qual a pessoa traz o nome.

A reverência, a devoção e a oração remetidas aos santos são uma parte principal da religiosidade popular de um país, porque a solidão e a fraqueza, duas realidades presentes e concretas da existência humana, impulsionam o homem, desde sempre, à vontade de invocar, como diz o Cerimonial, aqueles “que nos precederam no sinal da fé e dormem o sono da paz”, para deles obter os benefícios morais e físicos.

Santos que curam
Festa católica que goza de grande veneração, frequentemente a cada ano, desde a Idade Média, como no calendário litúrgico; depois daquele dedicado a Jesus e a Maria, intercalam-se aquelas dos santos de alcance universal e aqueles santos cujo culto é reservado às igrejas locais, como os santos patronos de cidades e nações.

Os santos vivem nos nossos nomes e, portanto, encontram-se na parte mais íntima de nós mesmos. Voltar-se a eles com humildade e veneração é uma ocasião para se fazer amigos preciosos, companheiros de viagem, dia após dia, durante o ano inteiro.

Ainda hoje, muitos cristãos, abatidos pela doença, sentem uma extrema necessidade de recorrer, além das indispensáveis curas médicas, também à ajuda dos “santos que curam”. Em efeito, todos as testemunhas da santidade cristã, a qualquer coletividade pertençam, evidentemente tiveram ou continuam a ter, por muitas razões, uma ligação mais ou menos estreita e vital com o coração da catolicidade.

A presença e a experiência desses protagonistas da fé e da espiritualidade, por meio do itinerário deixado na tradição cultural e religiosa de uma comunidade e dos lugares e as memórias nas quais maiormente se identificam, destacam a rica trama do seu envolvimento com a história, a arte, a religião tradicional, popular, e com a mesma vida cotidiana das pessoas.

Não estamos sozinhos
A importância da celebração da festa do santo é esta: eles nos exortam a ter coragem. Dizem-nos que não estamos sozinhos. Eles, em cada dia do ano, vivem não tanto na memória, mas na realidade diária; podem e querem ser nossos amigos por excelência. Por isso, abrir-se a eles e invocá-los nos unirá a eles para vivificar e revigorar o mundo que nos circunda.

Postagens relacionadas

Estruturas e Cargos da Igreja

Lua

Santa Matilde

Catequese do Papa sobre discernimento: o que significa discernir

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies