IgrejaSantos & Devoções

São Nicolau

Nicolau nasceu de pais ricos e piedosos, por volta do ano 275, na Lícia, atual Turquia. Sacerdote da diocese de Mitra, dedicou-se à evangelização e conversão dos pagãos, num período de perseguição religiosa.

Extremamente caridoso, distribuiu sua herança aos pobres. Eleito bispo de Mira, foi preso na perseguição de Dioclesiano, por volta de 310; antes de ser condenado à morte, publicou-se o Edito de Milão (313), que concedia a liberdade religiosa, o que lhe salvou a vida.

Participou do Concílio de Nicéia, em 235, ocasião onde Constantino Magno, imperador de Roma, ajoelhou-se para beijar as cicatrizes de Nicolau e outros varões torturados na última perseguição. Nicolau recebeu de Deus o poder dos milagres, especialmente em favor dos doentes.

Sua extraordinária caridade, porém, é que o tornou um dos santos mais conhecidos e amados, no Oriente e no Ocidente. Um caso particular ilustra mais a sua fama: sabendo que um pai pobre tencionava entregar suas três filhas à prostituição, por não ter como pagar o dote dos seus casamentos, Nicolau jogou pela janela da casa três bolsas com o dinheiro necessário.

Este fato, e a tradição que menciona suas doações, sempre anônimas, de moedas de ouro, comida e roupas para os pobres e viúvas, e presentes para as crianças, deu origem à lenda natalina de “Papai Noel”.

Nicolau é padroeiro da Rússia e outros lugares, bem como dos marinheiros e moças solteiras. Antes da revolução comunista, muitos czares adotaram o seu nome, e em Bári, Itália, onde estão seus restos mortais (para lá transladados pela ameaça muçulmana de profanação do seu túmulo), havia hospedaria exclusiva para os peregrinos russos que iam venerar suas relíquias.

Reflexão:
É motivo de alegria que a caridade de tão grande Santo seja a base de uma figura simpática como Papai Noel, mas nem por isso devemos deixar que a fantasia moderna, cada vez mais desvirtuada pelo interesse material, relegue a segundo plano o verdadeiro valor do amor desinteressado ao próximo.

Devemos associar ao Natal a maior das caridades, a Encarnação de Jesus, para a nossa salvação; e comemorá-la com o presente do amor ao próximo, que não se manifesta principalmente em presentes materiais (embora estes não sejam, claro, condenáveis), mas na doação de nós mesmos.

A demasiada preocupação, que pode chegar à ideia de “obrigação”, de presentes materiais no Natal afastam nosso coração da contemplação do nascimento de Cristo, este sim o presente máximo que Deus nos dá e que devemos repassar aos irmãos.

Oração:
Ó Jesus, que quisestes assumir a nossa natureza humana como meio de Redenção, concedei-nos, por intercessão de São Nicolau, a caridade operosa aos necessitados, e a defesa da pureza e virgindade. Que não seja em vão para as almas a grandeza do Vosso amor, que nos enriquece com o Vosso rebaixamento à condição de criatura, para elevar o servo à condição de Filho. Pelas mãos amorosas de Nossa Senhora e São José. Amém.

source

Postagens relacionadas

Maria é onipresente e onipotente?

Lua

Santa Rita de Cássia

Lua

São Vicente

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies