Droga livre, Jovem escravo!
ColaboradoresPe. Ernesto

Droga livre, Jovem escravo!

O Conselho Pontifício para a Família, no dia 25 de junho passado, publicou com a autorização do Santo Padre o Papa Bento XVI, um breve, mas denso documento sobre a liberalidade (ou descriminalização) da venda e uso das drogas: “Do desespero à esperança: família e toxicodependência”.

O Conselho Pontifício para a Família, no dia 25 de junho passado, publicou com a autorização do Santo Padre o Papa Bento XVI, um breve, mas denso documento sobre a liberalidade (ou descriminalização) da venda e uso das drogas: “Do desespero à esperança: família e toxicodependência”.

A Igreja sabe – afirma o documento – que “no complexo mundo da droga entrecruzam-se várias dimensões, comercial, médica, pedagógica, jurídica, social, policial, psíquica, moral e espiritual, mas, presa nesta teia, a Igreja vê principalmente a pessoa humana, seus valores primordiais, sua suprema dignidade”.

Por isso, no recentíssimo documento, a Igreja recusa a indevida ideologização ou politização da questão e dos seus desdobramentos para levar em conta, sobretudo, a pessoa e sua família, envolvidas na problemática. “Falando, hoje, da toxicodependência. – afirma ainda o documento – seria um erro não considerar um aspecto relevante do fenômeno, sua extensão e globalidade.

Não é um fato que interessa uma só camada social, a média-alta, mas todas as outras.” Vemos, de fato, em nossa cidade, que não é apenas o mundo dos adolescentes, que corre este risco, mas esta ameaça está se alastrando cada vez mais para a faixa infantil, como para a dos jovens, jovens-adultos e adultos.

Grassa tanto em homens como entre mulheres. A incontrolável ampliação do fenômeno é, sem dúvida, favorecida pela descoberta de novas substâncias ou novas combinações, pela sofisticação técnica e pelo aperfeiçoamento da comercialização e do tráfico criminoso da droga.

Neste contexto de globalização da toxicomania, ganha importância absoluta o conhecimento das causas: por que se drogam os nossos jovens? O documento do Conselho lembra: “O problema não está na droga, está na enfermidade do espírito, que leva alguém a drogar-se”.

E, o Papa Bento XVI, escrevendo ao diretor executivo do programa da ONU contra a droga: “Existe um laço entre a patologia letal, provocada pelo abuso da droga e a patologia do espírito, que leva a pessoa a evadir-se de si mesma e a criar satisfações ilusórias na fuga da realidade”.

Em suma por que se drogam os nossos filhos? Antes de tudo, por problemas humanos, considerados insolúveis: desde criança, de fato, sobraram-lhes, talvez, benesses, mas faltaram-lhes presença e companhia paterna ou materna. Porque ficaram abandonados a si próprios. Porque não houve verdadeira formação: faltou-lhes afeto.

Porque, em lugar de liberdade com responsabilidade, deram-lhe autonomia desenfreada. Porque não lhe robusteceram a vontade e lhes exercitaram a embriaguez do prazer a qualquer custo. Porque os deixaram crescer sem interioridade, sem estrutura interna, sem princípios e convicções. Por isso, ficaram espiritualmente frágeis. E, poderíamos multiplicar os “porquês´´.

O conhecimento sério e responsável das razões, que conduzem à droga e o esforço para sanar as carências, que o jovem equivocadamente pensa curar com o“paraíso artificial´´ da droga, são os únicos meios para a prevenção e, se esta infelizmente não aconteceu, para uma terapia eficaz. Propor, em lugar disso, a fácil solução da liberalização da droga é não somente ineficaz, mas contraproducente e altamente nociva.

A alegada diferença entre droga “leve ou doce” e “ pesada ou dura” é enganosa, pois, não leva em conta a necessidade de passar das mais leves para as cada vez mais pesadas. Porque cria paliativos, em lugar de atacar o mal pela raiz.

Porque não atende à pessoa humana na sua plenitude. È preciso partir da convicção do que a droga, qualquer droga, faz mal, porque destrói a pessoa humana no seu cerne. Comprada ou obtida de modo delituoso, roubado ou fornecido pelo Estado, a droga é, a longo, médio ou breve prazo, letal.

O documento do Conselho Pontifício para a Família é mais um brado de alerta no momento em que cartéis inescrupulosos difudem o veneno, através de redes perfeitamente organizadas, em todos os níveis e segmentos da sociedade.

É também um apelo aos governantes, aos guardiões da ordem pública, aos educadores e formadores de opinião, aos comunicadores sociais, aos líderes religiosos e, sobretudo, aos pais: cada qual no seu setor e no âmbito de sua responsabilidade, todos são convocados – diz o documento – para uma obra de salvamento”. Nossos jovens precisam e esperam. Não querem que a droga livre os faça escravos.

Padre Ernesto. E-mail:
p.ernestoae@gmail.com
Paróquia São José – Santo Antonio Descoberto-GO

A restauração da humanidade em Cristo

Postagens relacionadas

Ressuscitou verdadeiramente

Eraldo

O ano da FÉ

Lua

Entrevista às pessoas que estiveram com Jesus

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies