CatequeseOutros assuntos

Ser catequista é viver, testemunhar e fazer comunhão

Neste domingo celebramos, dentro de uma Igreja ministerial e servidora, o relevante ministério da catequese, que faz ressoar a Palavra de Deus em nossos corações e realidade para iluminá-la e transformá-la.
Dom Roberto Francisco Ferreria Paz – Bispo Diocesano de Campos

Rumo ao centenário da nossa Diocese de Campos festejamos, com todos os catequistas, o jubileu dos 100 anos desta missão na planície Goytacá.

Um caminho que tem raízes na Quam Singularis que incentivou a comunhão das crianças e o Catecismo de São Pio X. Com Pio XI, 1922, ano da fundação da diocese, com a força e empenho da Ação Católica e outros movimentos laicais, a catequese ganha numerosos colaboradores que auxiliam os padres nesta nobre tarefa do ensino da doutrina católica.

Com o Concílio Vaticano II, temos a renovação que se verifica no Diretório Geral da Catequese, que traz uma valorização da catequese de adulto que passa a ser o modelo, a ênfase, no catequizando e uma metodologia mais dialógica e bíblica.

No Brasil, a CNBB publica o Documento nº 22, que tem um impacto muito profundo, pois afirma a índole e finalidade comunitária da catequese, a metrologia interativa entre fé e vida, a dimensão social na ótica dos pobres, e as RAETs (roteiros de atividades transformadoras).

A nova evangelização, como plano pastoral e missionário, com São João Paulo II, vai dar destaque ao primeiro anúncio e insistir novamente no RICA (Rito de iniciação cristã para os adultos) que, aqui no Brasil, vai ter como lema: para adultos catequese adulta.

Nos últimos tempos, a catequese, impulsionada pelas semanas nacionais da catequese, propõe uma catequese de estilo catecumenal que, face a uma diversidade e pluralismo crescente da sociedade, assuma a tarefa de uma catequese iniciática, mistagógica (unida a liturgia e à sua simbólica) e missionária, que possa inculturar a fé.

Finalmente, nos dias de hoje, respondendo à crise sanitária e civilizatória mundial, a catequese, adaptando-se criativamente aos novos cenários, incorpora as novas tecnologias da comunicação digital de uma forma crítica, assume o paradigma socioambiental como vocação e missão do cristão no cuidado da casa comum, e uma atenção mais dedicada a novas situações que desafiam a própria estrutura eclesial: refugiados, migrantes, doentes, pessoas portadoras de deficiências.

Agradecemos muito ao empenho e labor dos padres Fabiano Goulart e José Carlos Fernandez que, com suas equipes, acompanham a catequese nos Vicariatos Norte e Noroeste. A celebração do jubileu da catequese reunirá, neste domingo, no Centro de Evangelização Sagrado Coração, em Italva, mais de 1200 catequistas para comemorar o centenário e a admirável obra eclesial da catequese diocesana. Deus seja louvado!

Postagens relacionadas

Leigos Catequistas: Ministros da Igreja

Catequese no mundo atual: desafios e possibilidades II

Eraldo

A importância da realidade como conteúdo da catequese

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies