ColaboradoresPe. Ernesto

Um politico ficha limpa

A campanha em favor da “Ficha Limpa” mobilizou milhões de pessoas, que acreditaram na possibilidade da decência e da ética na vida política. A lei, já sancionada, está em vigor. O País agradece aos cidadãos, que se empenharam para barrar, antes das urnas, pretendentes a mandatos políticos, que não podem ostentar idoneidade moral para governar ou legislar.

Mas, nem todos os políticos foram ou são “fichas sujas”. Muitos desempenham com dignidade e grandeza a sua missão.

Quero lembrar um deles: Tomás Morus, um político inglês. Ele nasceu em Londres, em 1478; estudou Direito em Oxford; casou, teve 4 filhos. Homem de vasta cultura, amigo de notáveis protagonistas do Renascimento europeu, escreveu vários livros sobre a arte de governar e a filosofia politica. Era católico fervoroso.

Em 1504 foi eleito para o Parlamento e o rei Henrique VIII confiou-lhe importantes missões diplomáticas e comerciais. Foi membro do Conselho da Coroa, vice tesoureiro do Reino e, em 1523, presidente da Câmara dos Comuns. Em 1529 foi nomeado chanceler de Sua Majestade.

O soberano inglês, por não ter sido atendido pelo papa em sua pretensão de divórcio, resolveu ser ele mesmo o chefe da Igreja da Inglaterra, separando-a, assim, de Roma. O fiel chanceler começou a sofrer uma dura perseguição. Não aprovando a ingerência do rei na vida da Igreja e não aderindo à sua política discriminatória contra os católicos, Tomás Morus renunciou ao cargo e retirou-se da vida pública, para sofrer, com sua família, o ostracismo e a pobreza. Foi encarcerado, enfim, na Torre de Londres.

Preferiu permanecer fiel à sua consciência: denunciou no tribunal o despotismo do soberano. Condenado à morte por “infidelidade” ao rei, foi decapitado no dia 6 de julho de 1535. Da prisão, escreveu à filha Margarida: “Fica tranquila, minha filha, e não te preocupes com o que possa me acontecer, neste mundo. (…) Até agora, Deus me deu a graça de tudo desprezar, do fundo do coração – riquezas, rendimentos e a própria vida – ao invés de jurar contra a minha consciência”.

Não traiu a consciência por vantagens, poder, riquezas, prestígio, nem passou por cima da verdade e da decência, mesmo para salvar a própria vida. Permaneceu “Ficha Limpa”, sabendo que isso lhe custava a cabeça. Sua grande firmeza de caráter e sua sólida estatura moral não lhe permitiram cair na tentação de usar o poder para sua vantagem e ganhos pessoais. Colocou sua atuação pública ao serviço dos mais pobres e desprotegidos; promoveu a paz social, a educação da juventude e a defesa da família.

Diante das lisonjas e pressões do poder, conservou uma serena jovialidade, inspirada no sensato conhecimento da natureza humana e da futilidade do sucesso. Tomás Morus harmonizou sua vida pública com suas convicções. Um bom político não pode separar-se da verdade, nem dissociar sua ação da moral. A dignidade dos homens públicos é certificada por uma boa consciência. Como explicar, diante do povo, vantagens desonestas, sem afundar ainda mais no charco da mentira?

A vida de Tomás Morus é um belo exemplo de ética na política. É o mesmo anseio, manifestado, ainda hoje, pelos milhões de brasileiros, que apoiaram o projeto de lei de iniciativa popular “Ficha Limpa”. Em 1935, o papa Pio XI declarou Tomás Morus “santo”. João Paulo II o escolheu como patrono dos governantes e dos políticos. São Tomás Morus ajude as nossas comunidades cristãs a preparar para o nosso País uma nova geração de políticos, que pautem suas vidas pela competência, dedicação e coerência de vida com a fé que professam.

Pe. Ernesto,

p.ernestoae@gmail.com

Postagens relacionadas

Ser padre: Cruz e Alegria

Lua

Família chamada a viver na Eucaristia

Lua

Ressuscitou verdadeiramente

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies