Pastorais&Movimentos

CEBs: o jeito EVANGÉLICO de ser Igreja hoje

De 18 a 22 deste mês de julho/23, aconteceu em Rondonópolis – MT, o 15o Intereclesial da Comunidades Eclesiais de Base, com o tema “CEBs: Igreja em saída, na busca da vida plena para todos e todas”, e o lema “Vejam, eu vou criar um novo céu e uma nova terra” (Is 55,17ss).

Participaram do Encontro delegações das CEBs de todo o Brasil: mais de 1.500 pessoas, incluindo cerca de 70 padres, 60 bispos e representantes de outros países. O Intereclesial refletiu sobre questões sociais-ambientais e a atuação da Igreja no Brasil.   

O método (caminho) utilizado no encontro foi ver, julgar e agir, ou – em outras palavras – analisar, interpretar e libertar.

A Igreja – lembra-nos o Concílio Vaticano II – é o Povo de Deus e as CEBs são – hoje – o jeito de ser Igreja das primeiras Comunidades Cristãs: o jeito de ser do próprio Jesus de Nazaré.

As CEBs são, pois, o jeito “evangélico” de ser Igreja e o Intereclesial é um encontro de irmãos e irmãs em comunhão

Ora, nesse jeito “evangélico” de ser Igreja das CEBs –  não existem classes: Hierarquia, Vida Religiosa e Laicato. No Plano de Deus, todos e todas – na diversidade de dons (carismas) e ministérios (serviços) – somos iguais em dignidade e valor, chamados e chamadas a viver em comunhão, como filhos e filhas do mesmo Pai-Mãe que é Deus, como irmãos e irmãs em Cristo, no Amor (Espírito Santo). A única diferença está na intensidade e profundidade do amor com o qual cumprimos a nossa missão no mundo.

Como dizem os filósofos, o ser humano não é um ser já feito, mas um ser que está se fazendo, um “vir-a-ser”, um ser em construção. Enquanto estamos no mundo, podemos crescer sempre na vivência do amor, que é a perfeição humana, a santidade, a felicidade.

Antes de iniciar o 15º Intereclesial das CEBs (16 de julho) aconteceu a bênção de envio das equipes de serviço na Celebração eucarística, presidida por Dom Gabriel Marchesi (bispo da diocese de Floresta – PE e referencial das CEBs em nível nacional) e concelebrada por Dom Maurício da Silva Jardim (bispo de Rondonópolis-Guiratinga – MT) e os presbíteros presentes.

As Celebrações: de abertura (dia 18 à noite), do Intereclesial e de encerramento (dia 22 à noite) foram verdadeiras Celebrações comunitárias muito bonitas e significativastempos fortes de graça de Deus. Era o Povo de Deus das CEBs celebrando sua vida, sua caminhada e sua missão.

Encontro foi realmente, para as CEBs do Brasil, um novo Pentecostes. Todos e todas voltaram para suas Comunidades animados e animadas, fortalecidos e fortalecidas; desejosos e desejosas de continuar com muito entusiasmo e com muito amor a missão de Jesus hoje: fazer acontecer a Boa Notícia do Reino de Deus, que – se bem entendido – é o projeto de vida mais revolucionário que existe: o projeto de um Mundo Novo, sempre mais Novo.

Para uma visão mais abrangente do 15º Intereclesial das CEBs, leia os sites: http://portaldascebs.org.br/ e https://cebsdobrasil.com.br/Com muita fé, esperança e amor, a caminhada das CEBs continua!

O documento da CNBB “Missão e Ministério dos Cristãos Leigos e Leigas” – 62 (1999) afirma que – à luz do Concílio Vaticano II e da Conferência de Medellín – precisamos repensar a estrutura social da Igreja e reelaborar a teologia dos ministérios a partir do binômio “comunidade – carismas e ministérios” (e não: “hierarquia – laicato”).

O documento da CNBB posterior “Cristãos Leigos e Leigas na Igreja e na Sociedade” – 105 (2016), que trata do mesmo assunto, simplesmente desconhece e desconsidera a parte do documento – acima citado – e reafirma o binômio “hierarquia – laicato”. É lamentável!

À luz do documento 62, apresento duas sugestões concretas:

1ª. Que toda a Pastoral da Igreja no Brasil seja planejada a partir do conceito teológico de CEB e de Paróquia dos Documentos de Medellín (que, infelizmente, foram esquecidos). Segundo esses Documentos, a CEB é “o primeiro e fundamental núcleo eclesial” ou “a célula inicial da estrutura eclesial” e a Paróquia é “um conjunto pastoral unificador de Comunidades de Base” (Med XV, 10.13).

2ª. Que o Intereclesial das CEBs (realizado periodicamente), pela sua representatividade nacional, seja reconhecido como o Sínodo do Povo de Deus, onde são discutidas, votadas e tomadas as principais decisões da Igreja no Brasil. Consequentemente, os Intereclesiais regionais e diocesanos seriam também reconhecidos como Sínodos do Povo de Deus regionais e diocesanos.

Que sonho bonito! As CEBs – na grande variedade de suas expressões – se tornariam realmente o jeito “evangélico” – sempre novo e sempre antigo – de toda a Igreja ser!

 

Estamos caminhando! Um dia chegaremos lá! Esperançar é preciso!

[1] Marcos Sassatelli, Frade Dominicano
Doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção – SP)
Professor aposentado de Filosofia da UFG

 

CEBs: o jeito “evangélico” de ser Igreja hoje

Postagens relacionadas

Movimentos da Igreja

Lua

Ação Pastoral

Lua

Ministérios Leigos

Eraldo
Carregando....

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies