IgrejaSantos & Devoções

São João Clímaco

João Clímaco nasceu na Síria, por volta do ano 579. Da rica e nobre família recebeu ótima formação literária e educação religiosa, o que acrescentado à sua grande inteligência lhe prometia um futuro promissor na sociedade. Mas ele renunciou à fortuna da família e aos atrativos de uma boa posição social, escolhendo levar uma vida de oração na austeridade.

Aos 16 anos, João foi para o Monte Sinai na Terra Santa, onde vários mosteiros rudimentares surgiram após as perseguições romanas, no século IV, e se tornaram célebres pela hospitalidade para com os peregrinos e pelas bibliotecas que continham manuscritos preciosos, pois os eremitas se dedicavam à transcrição dos códigos e manuscritos antigos relativos à Bíblia e aos escritos dos Santos Padres. Lá buscou o mosteiro de Vatos, o atual Mosteiro (Ortodoxo) de Santa Catarina, um dos mais renomados na época, tornando-se discípulo do já ancião abade Martírio, mestre famoso.

João dedicou-se a um cotidiano de orações, estudos, trabalhos pesados e jejum continuado, deixando de comer qualquer tipo de carne. Saía da cela apenas aos domingos, para participar da Eucaristia, quando encontrava os outros monges, e deixava o mosteiro unicamente para colher frutas, raízes e outros alimentos para os eremitas, num vale próximo. Mas após a morte do seu mestre, retirou-se para uma vida mais solitária e ascética, vivendo numa gruta e estudando por 40 anos seguidos a vida dos santos, o que o tornou um dos mais eruditos acadêmicos da Igreja.

Mesmo isolado, sua santidade levou a que primeiramente os monges, e depois o povo, buscassem seus conselhos, orientação espiritual e bençãos. Aos 60 anos, foi unanimemente eleito como abade geral dos religiosos da serra do Sinai (hegúmeno, ou guia), e voltou a viver no cenóbio (monges morando solitariamente mas em proximidade geográfica e com algumas atividades em comum). Demonstrou grande sabedoria nesta atividade, organizou melhor a vida dos religiosos, e construiu uma hospedaria para os peregrinos e viajantes. Sua fama chegou até Roma; o Papa São Gregório Magno lhe escreveu, pedindo suas orações, e forneceu auxílios para os religiosos e para a hospedaria. Entre 579 e 586, recebeu o encargo de Vigário do Papa, mantendo correspondência com muitos padres do Sinai.

Escreveu muito neste período, destacando-se o livro “Escada do Paraíso”, (uma analogia com a Escada de Jacó, cf. Gn 28,10-17). “Klímax” em Grego significa ” escada” (e, no caso, a sua ascensão espiritual correspondente), e em função do livro este nome lhe foi acrescentado. Dele é conhecido apenas uma outra obra, “Ao Pastor”, provavelmente um curto apêndice da “Escada”.

A “Escada do Paraíso ou Escada da Ascensão Divina” apresenta, como num manual, a doutrina monástica para monges e noviços (mas também para nós), com 30 diferentes e progressivas etapas necessárias para alcançar a perfeição da vida da alma. Cada capítulo ou “degrau” aborda um tópico específico, mostrando as dificuldades que virão e como superá-las por meio das virtudes ascéticas. Os 30 degraus correspondem aos anos da vida de Cristo até o Seu batismo.

Este verdadeiro tratado de vida espiritual se articula em três etapas: a primeira é a ruptura com o mundo e o retorno à infância evangélica, ou seja, o tornar-se criança, em sentido espiritual, mediante a inocência, o jejum e a castidade; a segunda é a luta espiritual contra as paixões: cada degrau corresponde a uma paixão, indica como vencê-la e propõe uma virtude correspondente; e a terceira trata das virtudes maiores na sobriedade do espírito, alimentada pelas virtudes da Fé, da Esperança e da Caridade – correspondendo esta última ao fundamental, à experiência que pode levar a alma ao amor perfeito, mais do que a dura luta contra as paixões. O livro, de fato, termina com a citação de São Paulo: “Agora subsistem estas três coisas: a Fé, a Esperança e a Caridade; mas a maior delas é a Caridade” (1Cor 13,13).

Originalmente escrito simplesmente para os monges do mosteiro vizinho, a “Escada” rapidamente se tornou um dos mais lidos e amados livros espirituais do Império Bizantino.

Poucos anos depois, João voltou à vida eremítica, e faleceu em 30 de março de 649. É conhecido também como João da Escada, João Escolástico e João Sinaíta.
Colaboração: José Duarte de Barros Filho

Reflexão:
Recorrente é o fato de que os santos eremitas, buscando a solidão e encontrando a Cristo, não ficam sempre isolados, mas são procurados pelos irmãos, que buscam seu exemplo e seus conselhos. Assim é porque a Verdade atrai, e onde há almas, onde reside o Cristo, aí está a nossa verdadeira morada. Por isso, a Igreja é a nossa tenda nesta vida passageira, pois ela é também, propriamente, o Corpo Místico de Cristo, pelo qual somos abraçados e recebidos com amor.

São João, pela sua santidade, chegou ao clímax do que é possível nesta vida. Para isso esvaziou-se das riquezas materiais, buscando nas alturas do Sinai a proximidade da vivência dos Mandamentos, ali recebidos por Moisés. Pela fidelidade ao Primeiro e mais importante deles, soube hospedar e acolher quem o procurava, orientando todos para Deus – pois só quem já está bem orientado pode indicar a direção correta. Neste sentido, dedicou-se também a redigir para o proveito dos irmãos. Já foi escrito que “A Escada do Paraíso”, antes de ser subida pelos homens, foi descida por Deus.

De fato, a iniciativa sempre vem de Deus, que desejou nos criar, ofereceu-nos o Paraíso e, depois do Pecado Original, a Redenção. Inclinando-Se para os homens, o Senhor Se humilhou até a nossa baixeza, para que pudéssemos subir de novo, por Cristo e Maria, até o Céu. Cristo é o caminho para ascender, que passa necessariamente por Maria.

Oração:
Senhor, que nos destes os Mandamentos para a salvação, concedei-nos pela intercessão de São João Clímaco seguirmos em profundidade a altura dos Sacramentos, necessários para conseguirmos cumprir as Vossas leis, pois é no paradoxo de imitar o Vosso abaixamento grandioso até nós que seremos elevados à humildade que salva; quem mais dá é quem mais recebe, é rejeitando as riquezas do mundo que teremos um tesouro nos Céus, é servindo que reinaremos, por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, e Nossa Senhora. Amém.

source

Postagens relacionadas

Vaticano pede fim de ‘taxas’ para sacramentos nas igrejas

História de São Francisco de Assis

Lua

Católicos realizam Incendeia nos dia 18/19

Eraldo

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies