Pe. Ernesto

Ressuscitou verdadeiramente

Maior evento da história humana, a Ressurreição do Senhor celebra a vitória da Vida sobre a Morte: “Deus constituiu Senhor e Salvador este Jesus, que vocês crucificaram” – proclamou Pedro, no dia de Pentecostes, em Jerusalém. Esta vitória não foi um fato isolado, limitado apenas a Jesus, pois atingiu o “cosmos” e à humanidade inteira.

O grão de trigo, caído na terra, morre, para reviver multidão. “Estarei convosco, todos os dias – prometeu Jesus – até o final dos tempos”. Os primeiros apologistas cristãos já afirmavam: “Cristo, pela sua morte, voltou para a casa do Pai; pela sua ressurreição, regressou para estar sempre conosco a fim de nos contagiar com o dinamismo de sua energia divina!”.

Se Cristo não ressuscitou: vã é a nossa fé; a vida, um “rebus” totalmente incompreensível; o seguimento dele, terrível ilusão; a esperança de um mundo novo, o Reino, utopia irrealizável; a caridade, esmola humilhante; a oração, árido solilóquio; os ritos religiosos, um retrógrado arcaísmo; a Bíblia, um livro incompleto, contraditório e provocatório, que vale menos do que um rolo de papel higiénico; o batismo, simples cerimônia religiosa; a evangelização, propaganda inútil; a Igreja, uma multinacional do sacro; a autoridade, poder opressor; a lei moral, lei de escravos; Deus, um ser distante e indiferente; Cristo, vendedor de ilusões e a morte, um pesadelo.

Se Cristo ressuscitou, então, Ele é o próprio Filho de Deus; o sol de nossa vida, nosso Pastor, Mestre, Luz, Caminho, Verdade e Vida; Senhor e Salvador; novo Adão, Cabeça da Igreja, Esposo dela e da humanidade; Pão vivo e Água viva, que matam nossa sede de Infinito; lêvedo, que faz crescer por dentro o homem, a humanidade e quem acredita nele; a história humana, elevada a itinerário rumo ao Reino definitivo de Deus; a fé, luz que dá à nossa vida o sentido verdadeiro; a caridade, espelho da Trindade; a oração, encontro gozoso com Deus; os sacramentos, sinais de sua presença misteriosa, mas real, no meio de nós e a evangelização, prolongamento de sua missão no mundo.

Celebrar a Ressurreição do Senhor significa, portanto, comprometer-se em defender a vida em todos os níveis, sobretudo, dos pobres e marginalizados; colocar os problemas deles como prioridade nos programas de governos e em nossa vida cotidiana; vencer as forças do egoísmo e da morte, que habitam em nós e no mundo; construir uma nova ordem econômica e política, na busca de soluções para os problemas da Terra, Trabalho, Moradias, Educação, Saúde, Segurança e Previdência Social desde sempre colocadas à margem da vida do povo.

Paul Clodel, escritor francês, em um de seus romances, coloca na boca de uma mulher judia cega, esta interrogação: “Vocês cristãos, que fizeram da alegria pela Ressurreição de Cristo?”. Foi tão poderoso este evento – poderíamos responder – que transformou o viver deles na vigília de uma grande festa; na espera gozosa do encontro com o Senhor da Glória e fez crescer neles a vontade de servir e amar a todos, por primeiro e sempre. Nesta Páscoa, alegremo-nos. Cristo, vencedor do mal e da morte, partilhou conosco sua vitória.

Postagens relacionadas

O ano da FÉ

Lua

Naquela noite santa

Lua

A experiência de um sacerdote em uma pequena comunidade

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies