CatequeseOutros assuntos

Atitudes de um catequista por vocação

O catequista, a catequista é parte preciosa da comunidade de fé. É preciso ecoar Cristo primeiramente em casa, depois junto aos outros irmãos e irmãs. Não se pode estar numa bolha, assistindo de longe aos desafios e conquistas do povo. Isso implica também gostar de estar com as pessoas, compreender as fraquezas e o sagrado que elas trazem dentro de si.

De modo mais amplo, é necessário estar atento à sociedade como um todo, tentando compreender como o cristão, a cristã pode ser “sal da terra e luz do mundo” (cf. Mateus 5,13-16). Por outro lado, uma comunidade madura também respeita e procura iluminar-se pelo testemunho dos catequistas.

Têm equilíbrio
O termo é muito genérico, mas eu o compreendo aqui mais no sentido de relacionamento humano. Catequese e mau humor não combinam. É necessário se esforçar para saber lidar com os mais diferentes tipos (não é fácil, eu sei!). Administrar conflitos, saber respeitar as ideias dos outros, ceder, ter uma divina paciência, tudo isso é ser bom pastor, pastora, sinal de um amor que vem de Deus.

Sabe acolher
O catequista deve ter claro: não cuida das próprias ovelhas, mas daquelas pertencentes a Deus, o Pastor-Mor. Ele confia seus queridos filhos e filhas a esse ministro, ministra. Cada catequizando que chega e suas respectivas famílias devem ser considerados verdadeiros presentes do Senhor. Aos olhos da fé, é o Espírito que os impulsiona a querer conhecer as coisas santas. Saber acolher o ser humano, com suas virtudes e fraquezas, é uma dos mais elementares gestos esperados de um catequista.

É modelo de generosidade
Um legítimo catequista coloca à disposição dos irmãos e irmãs, da Igreja e do mundo o que tem de melhor. Partilha com generosidade seus dons, talentos, seu tempo. Nesse aspecto, recordo a passagem dos cinco pães e dois peixinhos apresentados ao Senhor (Lucas 9,11b-17). Com aquele pouco oferecido com presteza, Ele pôde alimentar uma multidão.

Testemunha uma vida de comunhão fraterna
Como já foi dito acima, o catequista não fala em nome próprio. Assim, esse ministro deve estar sempre vigilante para que apenas a voz e os gestos de Jesus ecoem. Hoje há uma venenosa tendência a uma religiosidade intimista, desvinculada do próximo, do sentido eclesial.

Para alguns, Deus é o empregado, a “criatura” à disposição para atender a pedidos, mas Ele é o Senhor e o Criador, a quem devemos servir e adorar. Compreender o Eterno como um Pai com amor de Mãe é entender-se como irmão e irmã dos outros, ou seja, em comunhão fraternal.

Esse é um grande meio de anunciar, com a própria vida, o Evangelho. Ainda sobre esse ponto, na Carta Antiquum ministerium, o Papa sublinha: “Requer-se que sejam colaboradores fiéis dos presbíteros e diáconos, disponíveis para exercer o ministério onde for necessário e animados por verdadeiro entusiasmo apostólico” (n. 8).

O que um catequista deve esperar da Igreja
A Igreja, em síntese, é a grande comunidade dos batizados e batizadas, animada por seus pastores-servidores, todos procurando seguir o caminho de Jesus. Em Antiquum ministerium, Francisco, entre outras observações, pede que os catequistas “recebam a devida formação bíblica, teológica, pastoral e pedagógica, para ser solícitos comunicadores da verdade da fé, e tenham já maturado uma prévia experiência de catequese” (n. 8).

Essa determinação é para quem será instituído no ministério, mas precisa valer para todos os que se dispõem a essa missão.

Os fiéis e o clero devem apoiar os catequistas, procurando, o melhor possível, reconhecer o esforço desses ministros, socorrendo-os inclusive nas necessidades materiais, para poderem exercer bem sua função e orando por esses servidores e servidoras. Também é importante a comunidade ter espírito catequista, acolhendo carinhosamente os que desejam seguir os passos de Jesus.

Chego ao fim deste texto ainda sem encontrar palavras à altura para agradecer a esses queridíssimos irmãos e irmãs pela entrega à messe do Senhor. Que a Sabedoria Divina inspire cada um, cada uma. Nossa gratidão por nos apontarem os bons caminhos dos Céus e da terra.

Bendito seja Deus por todos os catequistas!

Postagens relacionadas

A catequese não é aula mas uma experiência viva da fé

Catequistas, um serviço com raízes antigas voltado para o futuro

O Catequista é importante para abrir a mente das crianças e jovens

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies