CatequeseIgreja

Bispo de Portugal, Espanha e Itália debateram novo Ministério de catequista

O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé disse hoje à Agência ECCLESIA que o novo ministério de catequista, instituído pelo Papa em 2021, se deve centrar no âmbito da evangelização e formação, em Portugal.

“O catequista estará mais no âmbito do anúncio do Evangelho, na comunidade cristã”, referiu D. António Moiteiro, falando a respeito do primeiro encontro das Comissões Episcopais que acompanham o setor da Educação, em Portugal, Espanha e Itália, que decorreu na segunda-feira.

“Este encontro também foi motivado pelo documento do Papa, ‘Antiquum ministerium’, que instituiu o ministério do catequista”, acrescentou o responsável. O bispo de Aveiro indicou que, nos trabalhos, foi abordado “o ministério do catequista, a sua vocação, o âmbito de ação e a sua formação”.

As comissões dos três países vão levar à próxima reunião plenária das respetivas Conferências Episcopais um documento, para aprovação, sobre este ministério. “O catequista instituído no ministério deveria ser um formador, para a iniciação cristã das crianças, adolescentes, e também um certo coordenador da Catequese, na diocese, nos arciprestados, da própria paróquia”, observou o presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé.

O bispo de Aveiro sustentou ainda que o ministério do catequista deverá ter “um papel muito importante na Catequese com os catecúmenos”, os que se preparam para receber o Batismo, após um percurso específico de formação.

A carta apostólica (Motu Proprio) ‘Antiquum ministerium’, publicada a 11 de maio de 2021, instituiu o “ministério laical de catequista”, homens e mulheres que não pertencem ao clero nem a institutos religiosos, reconhecendo de forma “estável” o serviço que prestam na transmissão da fé, “desempenhado de maneira laical como exige a própria natureza do ministério”.

“Convém que, ao ministério instituído de catequista, sejam chamados homens e mulheres de fé profunda e maturidade humana, que tenham uma participação ativa na vida da comunidade cristã, sejam capazes de acolhimento, generosidade e vida de comunhão fraterna, recebam a devida formação bíblica, teológica, pastoral e pedagógica para ser solícitos comunicadores da verdade da fé e tenham já maturado uma prévia experiência de catequese”, precisou Francisco.

A 11 de janeiro de 2021, o Papa tinha estabelecido que as mulheres tenham acesso aos ministérios de leitor e acólito, com o motu proprio ‘Spiritus Domini’. Estes ministérios também estiveram em debate na reunião dos responsáveis de Portugal, Espanha e Itália.

D. António Moiteiro considera que os leitores, como ministério instituído, devem funcionar como um “coordenador da formação” da comunidade, sem se limitar à “ação litúrgica”.
“Deverá ocupar-se mais da Palavra de Deus, na comunidade”, reforçou.

O bispo de Aveiro assumiu ainda o desejo de que o ministério de acólito possa estabelecer uma nova relação com os doentes, coordenando a ação da comunidade, nesse campo. voioi
O presidente da Comissão Episcopal da Educação Cristã e Doutrina da Fé participa no Encontro Nacional de Catequese, com o tema ‘Igreja em Sínodo: Catequese COM itinerário(s)’, que decorre até sexta-feira, em Vila Real.

source

Postagens relacionadas

Jubileu 2025: São esperadas 32 milhões de pessoas na santa Sé.

Obras de Misericórdia

Lua

Celebraçao onomástico

Lua

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Leia mais

Politica de privacidade & Cookies